Vídeo: CEO do Giraffas desautoriza filho que criticou home office

CEO do grupo de fast-food brasiliense não gostou de ter o nome da empresa relacionado a vídeos feitos por Alexandre Guerra na web

Carlos Guerra, CEO da rede GiraffasReprodução/Internet

atualizado 25/03/2020 17:09

Um vídeo gravado por Alexandre Guerra, até então membro do conselho de administração da rede de fast-food brasiliense Giraffas, causou irritação dentro da própria empresa, ao dizer que trabalhadores em casa por causa do novo coronavírus se encontram “numa tranquilidade”. Desagradou também a Carlos Guerra, pai dele e CEO do grupo, que tirou Alexandre da função.

Alexandre havia afirmado que a quarentena é um “descanso forçado” que atrapalha a economia do país. “Você já seu deu conta que, em vez de estar com medo de pegar esse vírus, você deveria também estar com medo de perder o emprego?”, questionou o empresário, que concorreu ao governo do Distrito Federal nas eleições de 2018.

Confira o vídeo de Alexandre Guerra, reproduzido em uma conta do Twitter:

Carlos Guerra respondeu em outro vídeo. Primeiro, ele se apresenta como fundador do Giraffas, presidente do conselho de administração, maior acionista e CEO da empresa. Depois, diz que o grupo não apoia nenhum governo, porque os vários associados têm visões ideológicas diversas. “Somos uma empresa pluralista”, afirma.

Então, avisa que ninguém é autorizado a ser porta-voz do Giraffas e dar declarações em nome deles. “Neste momento, só eu estou autorizado.”

“Alexandre Guerra é meu filho e fez gravações de vídeos que nós não concordamos e pedimos que não fossem conectadas ou vinculadas ao Giraffas. Infelizmente, por motivos óbvios, isso aconteceu”, explica Carlos.

“Concordamos no entanto que, para evitar esse tipo de vínculo, Alexandre deixe de ser acionista da empresa e deixe o cargo de membro do conselho de administração”, diz.

Veja a resposta de Carlos Guerra:

Segundo Carlos Guerra, a relação entre pai e filho continua próxima. “Em casa, a gente sabe conviver com o contraditório”, pontua.

Prioridade

Em nota assinada pelo empresário em nome do grupo, Carlos afirma que o mais importante durante a crise causada pelo coronavírus é a saúde das pessoas.

“Mesmo após o fechamento compulsório de quase a totalidade das 400 unidades franqueadas, com corte quase total das receitas futuras da franqueadora, as primeiras decisões estavam focadas na questão de saúde”, aponta o texto.

E continua: “Inicialmente colocando majoritariamente as equipes em home office e em seguida fechando totalmente os escritórios da empresa. Nenhum colaborador da franqueadora foi demitido”, garante.

Últimas notícias