Rafael Parente é exonerado da Secretaria de Educação. Assume João Pedro Ferraz

Secretário não resistiu às polêmicas envolvendo a gestão compartilhada entre Educação e Segurança Pública em escolas do DF

Andre Borges/Esp. MetrópolesAndre Borges/Esp. Metrópoles

atualizado 20/08/2019 7:04

Esta segunda-feira (19/08/2019) foi o último dia de expediente do secretário de Educação do Distrito Federal, Rafael Parente. Ele será exonerado do comando da pasta a qual chefiava desde o início do governo. Em seu lugar, assumirá o atual secretário de Trabalho, João Pedro Ferraz, ex-procurador-geral do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Além de exonerar Parente, o governador, Ibaneis Rocha (MDB), decidiu que manterá a gestão compartilhada entre a Segurança Pública e o Centro de Ensino Fundamental (CEF) 407 de Samambaia, mas abrirá o debate em relação ao Gisno, na Asa Norte.

No último sábado (17/08/2019), as duas unidades rejeitaram, em votação de pais, alunos e professores, o modelo. Enquanto isso, outras três optaram pela mudança: CEF 1 do Núcleo Bandeirante, CED 1 do Itapoã e CEF 19 de Taguatinga.

A negociação em relação ao Gisno será feita na gestão de Ferraz, junto ao Sindicato dos Professores (Sinpro-DF) e à comunidade escolar. “Falei, ao longo dos últimos 15 dias, que não ia admitir ingerências políticas nas áreas de saúde, educação e segurança”, justificou Ibaneis.

Segundo o governador, Rafael Parente “é um excelente técnico, mas que não teve experiência suficiente para construir o entendimento no caso do novo modelo proposto pelo governo. Deixou-se levar pelas questões políticas, o que também repercutiu na saída da coronel Sheyla Sampaio [ex-comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal] e no meu desentendimento com o distrital Roosevelt Vilela [deputado do PSB que tentou indicar um novo comandante para o Corpo de Bombeiros]”.

À coluna, Parente comentou a saída. “Existe algo na minha vida que são os meus valores, disso não abro mão. Desde o início, lutei pela comunidade escolar e para que a democracia fosse respeitada, ainda mais em tempos tão estranhos como estes em que estamos vivendo”, manifestou-se.

Rafael Parente ainda agradeceu o governador por ocupar “o cargo mais ilustre de toda sua trajetória profissional”. Disse também que deixa a função “com a certeza de que sempre lutou por melhorias na educação do DF”. Em sua conta no Twitter, o agora ex-secretário também se manifestou.

Twitter/Reprodução

SOBRE OS AUTORES
Lilian Tahan

Dirige desde setembro de 2015 o site de notícias Metrópoles. É formada em comunicação social pela Universidade de Brasília (UnB), com especialização em jornalismo digital e gestão de empresa de comunicação pela ISE Business School, instituição vinculada à Universidade de Navarra, na Espanha. Antes do Metrópoles, trabalhou por 12 anos no Correio Braziliense e dois anos na revista Veja Brasília. Ao longo da carreira, conquistou prestigiados prêmios de jornalismo, como Esso, Embratel, CNT, CNI, AMB, MPT, Engenho.

Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Últimas notícias