Empresa dos gregos Pantazis é alvo de busca e apreensão do MP

Infosolo foi beneficiada em operação milionária para atuar no registro digital de contratos de financiamentos de veículos

atualizado 20/11/2019 16:55

A empresa Infosolo Informática S.A. foi alvo de ação do Ministério Público na manhã desta quarta-feira (20/11/2019).

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Paraná cumpriu, com o apoio do Gaeco do MPDFT, cinco mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão no âmbito da operação Taxa Alta.

Na mira dos promotores está a empresa brasiliense Infosolo, que tem entre os sócios Alexandre Georges e Basile Pantazis. A família dos gregos, como são conhecidos na capital, montou negócios em diversos estados, como Maranhão, Minas Gerais e Paraná.

Segundo investigação do MP do Paraná, a Infosolo foi beneficiada em operação milionária para atuar no registro digital de contratos de financiamentos de veículos. Como todo carro financiado é taxado, a transação envolve muito dinheiro.

De acordo com as apurações, o processo de licitação teria sido manipulado de modo a beneficiar a empresa vencedora, no caso, a Infosolo.

A sede da Infosolo fica em Brasília, na região de Bernardo Sayão, próximo ao Núcleo Bandeirante. O endereço foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão do Ministério Público.

Além da sede da empresa, houve, também, busca em uma residência no Guará II.

Servidor

Um dos presos na Taxa Alta, Emerson Gomes, já havia ocupado o cargo de presidente da Comissão de Credenciamento do Detran no Paraná. O servidor era vinculado à empresa interessada na licitação, um dos fios que levou os investigadores a descobrir o esquema.

Segundo informações do Ministério Público do DF, a empresa alvo da investigação faturou, entre novembro de 2018 e junho de 2019, cerca de R$ 77 milhões.

Os Pantazis levam uma vida sofisticada na capital federal. Até recentemente, parte da família alugava a mansão no Lago Sul comprada pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) em negociação de R$ 23 milhões.

O outro lado

À coluna, a assessoria da empresa Infosolo informou que “sempre pautou sua atuação pela transparência e rígidos princípios de ética e correção. Sua posição de liderança no setor de registro de contratos advém, acima de tudo, da forma séria e comprometida com que sempre norteou suas iniciativas”.

O texto ainda diz que a “empresa jamais desrespeitou qualquer norma relativa aos procedimentos públicos dos quais participa e tem plena convicção de que esclarecerá os fatos junto ao Poder Judiciário”.

“Todos os esclarecimentos, bem como a disponibilização de informações e documentos ao Ministério Público foi feita com absoluta tranquilidade, diante da plena convicção de que nenhum ato ilegal tenha sido realizado no processo de credenciamento junto ao Detran-PR”, conclui o documento.

SOBRE OS AUTORES
Lilian Tahan

Dirige desde setembro de 2015 o site de notícias Metrópoles. É formada em comunicação social pela Universidade de Brasília (UnB), com especialização em jornalismo digital e gestão de empresa de comunicação pela ISE Business School, instituição vinculada à Universidade de Navarra, na Espanha. Antes do Metrópoles, trabalhou por 12 anos no Correio Braziliense e dois anos na revista Veja Brasília. Ao longo da carreira, conquistou prestigiados prêmios de jornalismo, como Esso, Embratel, CNT, CNI, AMB, MPT, Engenho.

Carlos Carone

Formado pela Estácio de Sá (RJ), tem especialização em Gerenciamento de Crises pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Chefiou a Assessoria de Comunicação da Secretaria de Segurança do Distrito Federal. Atuou como jornalista na Procuradoria-Geral da República (PGR), no Ministério da Defesa e na Caixa Econômica Federal. Trabalhou no Jornal de Brasília como repórter de Segurança. Faz parte da equipe de Cidades do Metrópoles desde a inauguração do portal.

Últimas notícias