Acelerado: BRB banca piloto de Stock Car que se antecipou a patrocínio

O beneficiário exibiu a marca do banco antes de o aporte financeiro de R$ 1 milhão ser autorizado

Reprodução/InstagramReprodução/Instagram

atualizado 23/04/2019 17:51

Negociação de patrocínio milionário do Banco de Brasília (BRB) para financiar um corredor estreante de Stock Car gerou incômodo entre gestores da própria instituição financeira responsáveis por avaliar a operação. Entre os fatores que ligaram o alerta de alguns dirigentes está o valor do aporte, de R$ 1 milhão, para evento que, por enquanto, não tem agenda em Brasília.

Além do volume investido, houve uma inversão atípica no processo. Semanas antes de o patrocínio ser autorizado pelo conselho do BRB, o beneficiário, o piloto Pedro Cardoso, exibiu a marca do banco tanto em seu carro como no próprio uniforme usado durante a corrida de estreia no Rio Grande do Sul.

O fato virou assunto entre dirigentes da instituição, assim como a viagem que o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, fez para acompanhar a primeira corrida do piloto brasiliense na Stock Car.

Paulo Henrique foi pessoalmente, em 7 de abril, ao autódromo Velopark, em Nova Santa Rita, Grande Porto Alegre, assistir à prova disputada por Pedro Cardoso.

Ele estava acompanhado do secretário de Projetos Especiais, Everardo Gueiros, que mantém laços de amizade com a família do piloto. Os dois viajaram a bordo do jatinho de propriedade de Luciano Lobão, filho do ex-senador Edison Lobão (MDB-MA).

Embora o BRB tenha se mobilizado em favor do patrocínio, ainda não há previsão oficial de que o evento realize alguma etapa da competição na capital federal.

O que existe é o empenho de Gueiros em trazer um circuito das provas para o DF. “Estou, sim, muito entusiasmado com o projeto. No Rio Grande do Sul, tive a oportunidade de me encontrar com o presidente da Stock Car, Carlos Col, e o convenci a vir até Brasília, onde já iniciamos as tratativas para a organização de um circuito de rua, que poderia abranger o traçado da antiga rodoviária ou mesmo a região da Avenida das Nações”, explica Gueiros.

Sobre o fato de pegar uma carona no avião de Luciano Lobão para acompanhar a corrida, o secretário diz ter viajado em um domingo e que, inclusive, pagou o combustível do próprio bolso. Segundo Gueiros, ele aproveitou a oportunidade para fazer um test drive na aeronave, já que negocia a compra de uma parcela do jatinho.

 

Patrocínio do milhão
O presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, diz que o patrocínio do piloto faz parte de uma estratégia de colocar o banco em evidência, não apenas no contexto local, mas também no regional. “Há duas provas que ocorrerão em Goiânia e uma em Campo Grande. As corridas são assistidas por um público de 160 mil pessoas, além de serem transmitidas por emissora de TV”, descreve Paulo Henrique.

Ele afirma que o pedido inicial do corredor foi de R$ 3 milhões, mas o banco aprovou um terço disso. Paulo Henrique diz desconhecer qualquer desconforto ou discordância de seu corpo diretivo em relação ao patrocínio, que, segundo alega, está “amparado em critérios técnicos”.

Sobre o fato de o piloto ter se antecipado à formalização do aporte de dinheiro da instituição pública, o presidente do BRB destaca ter sido uma opção do corredor e que o piloto quis demonstrar como ficaria a aplicação da marca no carro de corrida.

“Ele não tinha nenhuma garantia de que fecharíamos o patrocínio”, afirma Paulo Henrique, para quem o aporte trará, também, retorno de ativação da marca e no relacionamento com clientes que interessam ao banco. A coluna tentou fazer contato com o piloto, mas não conseguiu localizá-lo até a publicação do post.

De acordo com Paulo Henrique, há um grande esforço da nova diretoria em melhorar a imagem do BRB. Recentemente, a instituição foi alvo de operação do Ministério Público Federal (MPF) que investiga fraudes na concessão de empréstimos e benefícios a empresas privadas. “Pedimos para ser parte e a Justiça aceitou que nos tornássemos assistentes de acusação da Circus Maximus. Estamos dispostos a limpar este capítulo malsucedido do banco e a reescrever a história do BRB”, afirma.

SOBRE OS AUTORES
Lilian Tahan

Dirige desde setembro de 2015 o site de notícias Metrópoles. É formada em comunicação social pela Universidade de Brasília (UnB), com especialização em jornalismo digital e gestão de empresa de comunicação pela ISE Business School, instituição vinculada à Universidade de Navarra, na Espanha. Antes do Metrópoles, trabalhou por 12 anos no Correio Braziliense e dois anos na revista Veja Brasília. Ao longo da carreira, conquistou prestigiados prêmios de jornalismo, como Esso, Embratel, CNT, CNI, AMB, MPT, Engenho.

Isadora Teixeira

Formada pelo Centro Universitário Iesb, atua como repórter do Metrópoles desde 2017. Na editoria de Cidades, cobre assuntos políticos relacionados ao Distrito Federal

Últimas notícias