Você conhece o estilo de aprendizagem do seu filho?

Saber identificar a melhor maneira para você e seu filho aprenderem certamente será uma estratégia eficiente: cada um tem um jeito diferente

GaudiLab/IStockGaudiLab/IStock

atualizado 26/03/2019 22:53

Outro dia, na sala de espera do pediatra da minha filha, folheei uma revista antiga que continha uma reportagem sobre educação. A matéria afirmava que todos as pessoas, para aprender melhor, deveriam anotar o que estava sendo dito pelo professor. Era a fórmula mágica do aprendizado: anotar. Rapidamente, vi-me analisando como eu aprendo melhor. Não era escrevendo sobre algo que eu estava lendo ou assistindo, mas falando desse assunto para alguém.

Obviamente, nem eu nem meu marido nos encaixávamos na explicação simplista. Aliás, ele prefere aprender ouvindo e ponto final. Claro que o processo de aprendizagem de cada indivíduo é único. Saber identificar o seu estilo de aprendizagem ou o do seu filho certamente será uma estratégia eficiente para vocês.

Estilos de aprendizagem são os modos como as pessoas preferem aprender. Há diversas mecânicas. Todos nós temos uma preferida, embora possamos aprender de várias formas. A consagrada teoria Vark, criada pelo neozelandês Neil Fleming em 1987, é o melhor caminho para nosso autoconhecimento neste tema.

A teoria, como dito na homepage http://vark-learn.com, é baseada em um questionário cujo resultado identifica as maneiras pelas quais as pessoas gostam de receber informações e o(s) modo(s) como elas preferem entregar o que aprendem. É oportuno dizer que a teoria foca o processo de aprendizagem dominante do aluno e não a preferência de ensino dominante do professor. O foco é o aprendiz.

 

 

Outro ponto relevante é que de nada servirá saber o perfil de aprendizagem de um aluno se ele não se colocar no polo ativo do seu próprio processo. Assim, esforço e metacognição deverão estar presentes em todo o seu ato de aprender.

O nome Vark é decorrente do acrônimo em inglês das palavras Visual, Aural, Read/Write e Kinesthetic (visual, auditivo, leitor/escritor e cinestésico).

Segundo a teoria de Fleming, a aprendizagem ocorre por meio dos canais sensoriais, em especial os sentidos visual, auditivo e tátil. Sendo assim, você poderá ser um aluno visual, auditivo, leitor/escritor e cinestésico.

Estudante visual
Se você for um aluno visual, terá facilidade em interpretar imagens, gráficos, tabelas e diagramas. Aprenderá muito com professores que gesticulam bastante e utilizam uma linguagem marcante.

Materiais recheados de fotos e diagramas são muito bem-vindos para os alunos visuais. Ao estudar, uma boa dica é sublinhar, destacar os assuntos mais importantes com cores diferentes. Seja um especialista em mapas mentais e use sempre flash cards.

Outra eficiente estratégia é “converter” suas anotações feitas na sala de aula em imagens. Por exemplo: substitua palavras por símbolos ou iniciais e experimente em arranjos espaciais diferentes. E, por fim, tente encontrar em seus resumos padrões de imagem.  

 

Estudante auditivo
Você também poderá ser um aluno auditivo. Se o for, dependerá da audição para processar informações e aprenderá melhor a partir da exposição oral dos conteúdos e com instruções verbais.

Palavras de ordem para alunos auditivos são: ouvir, discutir, falar, questionar e recordar.

Sendo um aluno auditivo, assista com atenção às aulas, não anote. Mas participe dos debates sobre os assuntos com seus outros pares ou com os seus professores.

Gravar aulas e ouvi-las depois é uma superestratégia! Lembre-se dos interessantes exemplos falados na aula, das histórias e piadas. Se fizer anotações, deixe espaços para posterior preenchimento quando ouvir a aula que você gravou.

Como suas anotações podem ser ruins porque você prefere ouvir, possivelmente precisará complementar as notas conversando com outras pessoas e coletando notas de livros.

Uma outra boa estratégia é pedir aos outros para “ouvir” um resumo do que você entendeu sobre um assunto. Ler em voz alta suas próprias anotações costuma não falhar. Ao estudar, busque refazer provas anteriores e procure responder as questões oralmente, falando alto ou mentalmente.

 

Estudante leitor/escritor
Você também pode ser um aluno leitor/escritor e, neste caso, é prioritário escrever as palavras de novo e de novo, bem como ler suas anotações (silenciosamente), repetidas vezes.

Escreva o que informam os diagramas ou gráficos, por exemplo: “A tendência é de desmatamento…”.

Aliás, transforme qualquer imagem em palavras.

Estude fazendo muitos exercícios de múltipla escolha e elabore resumos detalhados. Busque informações em outras plataformas de ensino e crie super-resumos. Lembre-se: você precisa escrever, escrever e escrever ainda mais um pouquinho. E depois, ler, ler e ler o que você escreveu.

Se optar por não fazer resumos, faça listas de um assunto. Para alguns alunos, é muito mais eficiente. Um exemplo de resumo:

“As proteínas são macromoléculas constituintes de todos os seres vivos. Um dos papéis fundamentais delas está relacionado à construção da matéria viva, regulação do metabolismo celular com as enzimas e defesa do corpo com os anticorpos. A molécula de proteína é constituída por longas cadeias de unidades menores, chamadas aminoácidos. Os aminoácidos são constituídos por um grupo carboxílico e um grupo amina, ligados a um átomo de carbono e hidrogênio que fazem ligação com um grupo radical. São conhecidos 20 aminoácidos que se diferenciam por esse grupo radical. Os vegetais são capazes de sintetizar todos esses 20 aminoácidos, enquanto os animais não conseguem fabricar todos os aminoácidos necessários, dessa forma precisam obtê-los da alimentação. Os aminoácidos naturais são os que um organismo é capaz de produzir. Os aminoácidos que devem ser por ele ingeridos são conhecidos como essenciais. Dois aminoácidos se ligam para formar uma cadeia por meio de ligações peptídicas”.

Em vez de escrever esse texto, faça uma lista.

PROTEÍNAS = macromoléculas presentes em todos os seres vivos

Funções:

  • Estrutural;
  • Enzimática;
  • Defesa.

Constituição: sequências de aminoácidos

  • naturais  x   essenciais
  • ligações peptídicas

Estrutura: primária                secundária                terciária                quartenária

 

Outra característica marcante em alunos leitores/escritores é que preferem ler um folheto explicativo a assistir a uma palestra. E, claro, sempre estão lendo um livro.

 

Estudante cinestésico
E, por fim, você poderá ser um aluno cinestésico. Isso significa que precisa fazer para aprender. Ama um bom exemplo e fazer exercícios práticos! Ir ao laboratório da escola e testar o conhecimento em inúmeras experiências é top ten do seu dia.

Professores que dão exemplos reais ganham o seu coração. Alunos cinestésicos amam exposições e mostras de fotografia.

Assim, durante o estudo, abuse dos exemplos em seu resumo, com certeza será uma estratégia certeira. Ao se deparar com princípios ou conceitos abstratos, recomenda-se fazer estudo de caso para os entender melhor.

Saber seu perfil de aprendizagem melhorará muito a eficiência do seu estudo. Abuse das estratégias mais adequadas pra você, e voilà!

SOBRE O AUTOR
Christiane Fernandes

Pedagoga e psicopedagoga, especialista em Dificuldades de Aprendizagem pela Universidade de Brasília (UnB). É fundadora da Filhos – Educação e Aulas, empresa que atua na área de educação oferecendo aulas particulares desde 2005. Possui MBA em Gestão Empresarial com foco em estratégia pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Últimas notícias