">
*
 
 

Em julho, muitas famílias já sabem que os filhos têm grandes chances de reprovar. Com medo desse desfecho, decidem mudá-los de escola. Na prática, escolhem instituições mais “fracas” para assegurar a aprovação da criança. Como educadora, assistir a esse desfecho é frustrante. Não só do ponto de vista psicológico/emocional, mas também do prático.

Ao decidir não se dedicar aos estudos, o aluno corre grande risco de não passar. Mas, veja: foi uma decisão dele. Ainda que de forma inconsciente, qualquer adolescente sabe que não estudar poderá levá-lo à reprovação.

De qualquer forma, ele assume o risco. Tem a convicção de que, no fim, de um jeito ou de outro, vai dar tudo certo. O pequeno assume que errou, não se dedicou no primeiro semestre e está convicto: na próxima escola, tudo vai ser diferente. Ele promete e a família cede.

Os pais têm pena. Temem que ele passe pelo sofrimento da reprovação. Cedem porque financeiramente é muito caro reprovar (a mensalidade x 12!) ou porque não são analisadas profundamente as consequências de mudá-lo de escola no meio do ano.

Para a psicóloga Maria Raquel Gonçalves de Araújo, mudar de escola reforça na criança o sentimento de solução “milagrosa” para resolver adversidades que possam aparecer em sua vida. Filhos/alunos precisam viver episódios de decepção, frustração e conflitos. Bem como devem enfrentar a realidade de que um comportamento pouco comprometido pode resultar na não conclusão de algo.“Ou seja: se eu não me dedico o suficiente e adequadamente, eu sou  reprovado e tenho a chance de tentar de novo a mesma coisa, para que, merecendo, eu obtenha aprovação e conquiste a etapa seguinte”, ensina a especialista.

A reprovação pode ser o grande aprendizado para uma nova tentativa, com um sabor mais ‘suado de vitória’."
Maria Raquel Gonçalves de Araújo

E como esses filhos têm tanta certeza de que convencerão seus pais?
Essa certeza nasceu na dinâmica de negociação entre pais e filhos construída desde da primeira infância. Quem acompanha a coluna sabe que falamos frequentemente que crianças são sintomas dos responsáveis. Adultos hoje têm dificuldade de exercer sua função fundamental: a de serem pais e não amigos.

Na literatura psicanalítica, é comum diferenciar a relação de amizade e a de pais e filhos. A amizade que impera em algumas relações entre pais e filhos é circular, não há hierarquia na dinâmica familiar. É como se o peso da opinião de uma criança tenha o mesmo que a do responsável dele. Já nas relações saudáveis, nas quais se configura uma relação triangular, os pais decidem pelo filho.

Tem uma frase que gosto muito e representa bem essa dinâmica: saber renunciar para que os filhos sejam. Trocando em miúdos: temos de dar limites para que nossos filhos desabrochem. Para mim, como educadora, a reprovação pode ter muitos ganhos se for bem conduzida pela família. Mas, é claro, o ideal é que todo mundo estude, passe de ano e seja feliz (sem usar atalhos que possam prejudicar o futuro das nossas crianças).


Christiane Fernandes é pedagoga e psicopedagoga, especialista em dificuldades de aprendizagem pela Universidade de Brasília (UnB). É fundadora da Filhos – Educação e Aulas empresa que atua na área de educação oferecendo aulas particulares em casa há 13 anos. Possui ainda MBA em Gestão Empresarial com Foco em Estratégia pela Fundação Getúlio Vargas.

EducaçãopaternidadeMaternidade
 


COMENTE

Ler mais do blog