Lígia Braga e Marcela Corrieri apostam em serviço de delivery

A pandemia da Covid-19 forçou as duas empresárias a fechar as portas de seus estabelecimentos, mas não as impediu de continuar trabalhando

Ligia BragaHugo Barreto/Metrópoles

atualizado 25/03/2020 15:33

Criatividade, garra e responsabilidade com o próximo são algumas das palavras que definirão os comerciantes de Brasília pelos próximos dias. A maioria foi obrigada a fechar as portas de suas lojas e restaurantes para evitar disseminação ainda maior do novo coronavírus. Diante desse cenário, muitos tiveram que se reinventar para continuar trabalhando.

Exemplo disso são as empresárias Lígia Braga e Marcela Corrieri. Lígia (foto em destaque) teve de inovar e antecipar o início do serviço de delivery do charmoso Vert Café, na 403 Sul, para o último sábado (21/03), com intuito de não perder a clientela.

“Nunca tivemos o serviço de delivery antes, mas corri para o iFood assim que soube que não poderia mais receber clientes”, relata.

Além do aplicativo, o café também recebe pedidos pelo telefone (61) 99113-6424. Pelo mesmo número, os clientes recebem o cardápio na hora, via WhatsApp, com desconto de 20% até o próximo domingo (29/03).

Vert Café Asa Sul
O serviço presencial foi suspenso, mas a cozinha do Vert Café continua operando

Dentro do restaurante, a atenção é redobrada. Dos 10 funcionários que trabalham na cozinha, apenas quatro estão atuando diariamente, em esquema de revezamento.

“Separei a equipe em grupos. Emprestei um carro da minha família para buscá-los em casa e a minha subgerente pega os outros no dia seguinte. Medimos a temperatura de todos assim que chegam. Depois, eles lavam as mãos e passam álcool em gel”, pontua a empresária.

Além de todo esse cuidado, um funcionário higieniza o ambiente a cada 20 minutos. Tudo para garantir o local limpo. A mesma atenção é mantida na entrega. “Alguns clientes não se importam em buscar o pedido, mas a maioria pede para deixar na porta. O entregador sai e eles pegam”, ressalta Lígia.

As atividades da Marcela Corrieri também foram suspensas, e a empresária paulista passou a ser a única pessoa a entrar na loja da 305 Sul. Pelas redes sociais, ela pediu a compreensão das clientes e lembrou que o serviço de delivery permanece em funcionamento.

Marcela é conhecida pelo trabalho personalizado – ela manda sacolas com peças de roupas e acessórios de acordo com o gosto de cada cliente. Preocupada com a transmissão da Covid-19, a empreendedora precisou restringir o número de itens enviados.

Marcela Corrieri
Marcela Corrieri

“Antes, eu fazia uma sacola com muitas peças para a cliente ter variedade maior. Agora, mando foto e vídeo para a pessoa escolher. É um serviço mais direcionado, e não uma mala cheia de roupas com várias opções”, destaca.

A empresária está em Brasília há seis anos e ficou atenta ao noticiário para seguir com o trabalho. “Sempre fiz sacolas de acordo com o gosto e numeração da pessoa, para deixar na casa dela por 24h, mas não divulgava muito. Quando comecei a ver o movimento de outros estados e o fechamento do comércio, tornei esse serviço mais presente, anunciando para todas as minhas clientes”, explica.

E é ela mesma quem leva os produtos, tomando o cuidado de usar luvas e máscara, uma maneira de tranquilizar a clientela. Os pedidos podem ser feitos pelo número (61) 98269-6662 ou por meio de um link disponível no perfil da marca no Instagram.

“Algumas consumidoras estão apreensivas em comprar roupa para ficar em casa, mas não podemos ficar de pijama o dia inteiro. Dá um desânimo. Então, tento mostrar roupas mais confortáveis, como moletons e t-shirts, para ficar bem e confortável em casa”, pondera, com pensamento positivo.

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Últimas notícias