Em bate-papo musical, Adriana Samartini fala sobre carreira e Carnaval

Depois de um bate e volta em Salvador para cantar com Saulo Fernandes e a Banda Eva, ela retorna para a folia em Brasília

Julia Bandeira / Especial para o Metrópoles

atualizado 01/03/2019 15:43

Para a cantora Adriana Samartini, Carnaval é a época de esquecer os problemas. “É a minha festa favorita. Eu me denomino como carnavalesca, porque gosto do brilho do momento e dos festejos. Se eu tivesse nascido no Carnaval, seria uma mão na roda. Tento levar a alegria que tenho durante a folia para as minhas apresentações no resto do ano.”

Há poucos dias para o início das festas em Brasília, a cantora bateu um papo com o Metrópoles e contou tudo sobre a sua paixão pela data, a passagem pelo Carnaval de Salvador e os planos para o futuro.

Julia Bandeira / Especial para o Metrópoles

Carnaval 2019
A cantora está animada para o Carnaval de Brasília deste ano. Para Adriana, a cidade tem tudo para ser a capital da folia, com opções de blocos de rua, bailes em clubes e o Carnaval no Parque, onde se apresentará neste domingo (3/3), junto com o cantor Saulo.

Temos identidade sim. Brasília é uma cidade plural, e a nossa cara é a mistura, com muita gente boa

Adriana Samartini

Neste ano, Adriana conseguiu uma brecha na agenda e fugiu por alguns dias para o Carnaval de Salvador. Ela subiu no bloco da Banda Eva e cantou com Saulo Fernandes na Pipoca de Saulo, uma festa democrática, sem cordas. “Isso é uma das coisas que me agradam na Pipoca. Para quem quer uma coisa reservada, tem bloco; para quem quer o Carnaval sem corda, tem a Pipoca”, explica.

Para este Carnaval, a cantora acredita que Jenifer, de Gabriel Diniz, não estará sozinha como grande hit. “O Carnaval é um movimento cultural do povo. Às vezes sai um movimento, uma coreografia, e ainda dá tempo de surgirem outros sucessos”, avalia.


Folia em Salvador
A capital da Bahia é muito conhecida pelo seu Carnaval. Adriana se fez indispensável para o festival e tem várias histórias e perrengues para contar: desde ser convidada para subir no trio da Banda Eva – enquanto curtia na Pipoca – até ser barrada por um segurança de Durval Lelys por estar com o abadá de outro bloco. Nada que a cantora não tirasse de letra.

Axé music

A paixão da cantora por axé music começou ainda criança, com o pai músico, que investiu em instrumentos e aparelhagem de som. A família sempre foi musicalmente unida. Em casa, ouvia vários tipos de ritmos, e a voz de Daniela Mercury marcou a vida de Adriana. “O axé é uma mistura de várias coisas: a guitarra baiana, a percussão, tudo o que é gostoso e sonoro. O som da Bahia nos anos 1990 dominou o Brasil, e lá em casa eu dançava na frente da televisão”, relembra.

Ivete Sangalo

No Carnaval de 2017, antes de Ivete Sangalo ficar grávida das gêmeas Marina e Helena, Adriana teve a oportunidade de acompanhar o show da sua “musa mor” – como ela se refere a Ivete – de cima do trio elétrico da baiana. “Foi uma das emoções mais latentes que eu tive. Vai ficar por muito tempo na memória”, relata, emocionada.

 

Parcerias
As parcerias são frequentes nos shows de Adriana. Carismática como poucos, ela faz questão de convidar outros músicos para o palco. Entre eles, Digão, da banda Raimundos, e o ator e cantor Thiago Martins.

Ela já abriu e fechou o show de Saulo Fernandes em sua despedida da Banda Eva, assim como cantou logo na sequência da estreia de Felipe Pezzoni na banda.

O maior show que Adriana fez foi para 40 mil pessoas, na despedida do cantor Thiaguinho do grupo Exaltasamba no Parque da Cidade.

Carreira
Brasiliense e filha de mãe mineira, Adriana cresceu ouvindo o pai, carioca, tocar bossa nova no violão. O primeiro show que fez foi em uma festa familiar – as bodas de ouro dos avós –, no qual cantou uma oração a convite de sua madrinha, apelidada de “fada madrinha”.

Logo depois, seguiu emendando canjas em shows pela cidade e foi requisitada para casamentos e festas. Ela criou o grupo Baquetada e se apresentou no restaurante Bier Fass, no Pontão do Lago Sul, um marco em sua carreira.

O que pouca gente sabe é que Adriana tem graduação em relações internacionais e, atualmente, busca se especializar em marketing para aplicar as lições na própria carreira.

Planos futuros
Para os próximos meses, Adriana quer se dedicar a trabalhos autorais, ter um bloco oficial no Carnaval e gravar um projeto de vídeo às margens do Lago Paranoá, onde fincou suas raízes.

0

Últimas notícias