Com PSL em crise, Olímpio diz que é hora de aprovar Previdência

Líder do governo travou disputa nas redes sociais com Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente

Gabriela Korossy/Câmara dos DeputadosGabriela Korossy/Câmara dos Deputados

atualizado 14/10/2019 16:44

Após um fim de semana marcado por embates com Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente e vereador, o líder do PSL no Senado Federal, Major Olímpio (SP), relevou a crise dentro da legenda e disse que o momento é de focar no país.

“Nós precisamos pensar primeiro no Brasil, e depois em partidos políticos e até mesmo nas divisões internas dentro de partidos”, disse o senador paulista em vídeo publicado em rede social nesta segunda-feira (14/10/2019).

O PSL, sigla do presidente Jair Bolsonaro, tem passado por grave crise interna. O mandatário da República ameaça deixar a legenda e pediu ao dirigente nacional do partido, Luciano Bivar (PE), uma relação completa de fontes de receitas, despesas e funcionários para auditoria externa.

Major Olímpio destacou que a Casa está na reta final para votar a reforma da Previdência. “Todos os nossos esforços têm de estar lá no dia 22 pelo Brasil”, frisou, em referência à data prevista para o segundo turno da votação no Senado. 

O parlamentar informou ainda que pretende aprovar o pacote anticrime, principal pauta do ministro da Justiça, Sergio Moro, até o fim deste ano. “Não é pelo Sergio Moro nem pelo governo Bolsonaro, é pelo Brasil, para diminuirmos a criminalidade”, enfatizou.

Senador mais votado da legenda, Olímpio foi alvo de críticas de Carlos Bolsonaro nesse domingo (13/10/2019). O vereador disse o major é o “bobo da corte”. Em contrapartida, o parlamentar chamou o filho do presidente de “moleque”.

Olímpio não tem gostado da interferência de Carlos, Eduardo e Flávio Bolsonaro no mandato do pai. A crise se agravou com a possível saída do chefe do Executivo da legenda, alavancada com o andamento das investigações contra o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. 

Últimas notícias