Vídeo: segurança do prefeito de Goiânia arranca faixa de manifestantes

Imagens mostram momento em que homem se aproxima de mulheres e age com violência, durante inauguração de unidade de saúde na capital

atualizado 10/02/2022 16:32

Segurança do prefeito de Goiânia arranca faixa de manifestantes à força, na capital de Goiás Reprodução

Goiânia – Um segurança pessoal do prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), arrancou com violência, nesta quinta-feira (10/2), uma faixa de protesto das mãos de uma manifestante, durante a inauguração de unidade de saúde da família, no Conjunto Riviera, na região leste da cidade.

A faixa leva a seguinte frase: “Quem trabalha pela vida merece viver com dignidade!”.

Gravado por outros manifestantes, o vídeo mostra o momento em que o segurança do prefeito se aproxima da vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde-GO), Néia Vieira dos Santos, e outras manifestantes. Ela registrou boletim de ocorrência na delegacia.

Veja vídeo:

As mulheres estavam do lado de fora da tenda onde o prefeito falava ao microfone, no mesmo momento, na cerimônia de inauguração. Segundo o sindicato, o prefeito fechou outras duas unidades de saúde na região para inaugurar uma nova.

“Para lá, para lá”

De forma truculenta, de acordo com as imagens, o segurança pessoal do prefeito já chegou dando ordens para as manifestantes saírem do local. “Para lá, para lá”, repetiu ele, sinalizando com a mão direita para elas se afastarem.

Em seguida, ao perceber que o segurança agia para intimidar, uma das manifestantes alertou: “Filma a agressão aqui”. Imediatamente depois, ele arrancou, violentamente, a faixa das mãos de Néia e desceu as rampas, carregando o material para o lado de fora da unidade de saúde, enquanto as manifestantes gritavam “respeito”.

“Faixa violentamente retirada”

“Tivemos a faixa violentamente retirada das nossas mãos pelo segurança pessoal do prefeito Rogério Cruz. Nossa reivindicação é pelas condições de trabalho e assistência e é, também, para que o prefeito cumpra uma promessa de campanha de reajustar perdas salariais dos trabalhadores, pagando a data-base, que há 3 anos não temos”, afirmou a vice-presidente.

“Violência é crime”

Néia lembrou que o episódio ocorreu há menos de um mês da celebração do Dia Internacional da Mulher e fez um alerta ao prefeito, destacando a necessidade de treinamento de sua equipe de segurança.

“O dia 8 de março está próximo. Vemos vereadores e o prefeito fazendo campanha sobre violência contra mulher. Entretanto, o prefeito não orienta os próprios seguranças sobre como tratar os representantes legítimos dos trabalhadores. Violência contra a mulher é crime”, destacou ela.

Sem comentar

Procurada, a assessoria de imprensa do prefeito de Goiânia informou que ele não vai comentar o caso.

O Metrópoles não obteve retorno da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e nem encontrou contato de telefone  do segurança até o momento em que publicou esta reportagem, mas o espaço segue aberto para manifestações.

Mais lidas
Últimas notícias