Vídeo: mulher é escoltada pela PM aos gritos de “racista” no Metrô SP

Polícia investiga caso que ocorreu em um vagão da Linha 1-Azul do Metrô e gerou protestos na estação Ana Rosa no noite dessa segunda (2/5)

atualizado 03/05/2022 15:14

Polícia investiga caso de racismo que ocorreu em um vagão da Linha 1-Azul do Metrô São PauloReprodução/ TV Globo

São Paulo – Uma mulher branca foi retirada da estação Ana Rosa do Metrô São Paulo escoltada pela Polícia Militar enquanto passageiros gritavam “racista” e “racistas não passarão”, no início da noite dessa segunda-feira (2/5).

Dentro de um vagão da Linha 1-Azul do Metrô, Agnes Vajda teria pedido para Welica Ribeiro “tirar o cabelo” de perto dela porque “poderia passar alguma doença”.

O irmão de Welica, que é do Rio de Janeiro, gravou testemunhas confirmando que ouviram a mulher branca cometer o racismo.

Veja imagens de passageiros que registraram o caso

Os passageiros do Metrô impediram a saída de Agnes enquanto a Polícia Militar não chegava. A mulher saiu da estação escoltada por policiais sob protestos dos passageiros.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Agnes, Welica e o irmão da vítima do ato racista foram para o 27º DP (Distrito Policial) a fim de prestarem depoimento.

A reportagem do Metrópoles procurou o Metrô São Paulo, mas não obteve resposta até o momento.

Consulado-Geral da Hungria

Agnes Vajda, que é acusada de cometer racismo no Metrô, se identifica no Linkedin como assistente consular do Consulado-Geral da Hungria em São Paulo.

A reportagem do Metrópoles perguntou para a instituição se a mulher de fato trabalha no local. O consulado não respondeu a esse questionamento, mas emitiu comunicado.

“Entendemos que o caso é objeto de inquérito policial, até a conclusão disso nós não iremos nos manifestar”, afirmou ao Metrópoles o Consulado da Hungria.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias