Variante Ômicron faz capitais cancelarem Réveillon e ameaça Carnaval

Ao menos oito capitais já anunciaram que não terão festa de Ano-Novo. Prefeituras monitoram nova variante para decidir sobre folias em 2022

atualizado 30/11/2021 9:37

Gustavo Moreno/Especial Metrópoles

Pelo menos oito capitais não terão festa de Réveillon na virada de 2021 para 2022. Dessas, duas já optaram por também cancelar a folia de Carnaval em fevereiro. O avanço da variante Ômicron, de origem africana, fez prefeitos e governadores de todo o país reavaliarem a decisão de promover shows e outras aglomerações.

Embora algumas capitais tivessem confirmado a realização dos eventos depois do avanço da vacinação no Brasil e da redução de mortes e infecções, a chegada da Ômicron a todos os continentes e a análise de um possível caso em São Paulo jogaram um balde de água fria na possibilidade de liberar a comemoração com grandes grupos.  

A variante, identificada pela primeira vez na África do Sul, foi classificada pela Organização Municipal de Saúde (OMS) como preocupante. Apesar disso, ainda há dúvidas sobre o seu nível de contágio e gravidade. Na segunda-feira (29/11), a OMS informou que a Ômicron representa um risco muito elevado para o planeta

O medo de uma quarta onda da Covid-19 forçou alguns gestores a darem um passo para trás nos festejos de Ano-Novo e na folia de Carnaval. Isso porque a realização desses grandes eventos impossibilitaria a tomada de alguns cuidados indispensáveis para evitar a disseminação do vírus, como o uso da máscara e o distanciamento social. 

Salvador, São Luís e João Pessoa, na segunda-feira (29/11), cancelaram os festejos de Réveillon. Belo Horizonte, Fortaleza e Goiânia já tinham anunciado que não promoveriam o tradicional evento. Palmas e Teresina também confirmaram ao Metrópoles que não farão as festas de fim de ano.

Veja o status de cada capital:

Medo

Em relação ao Carnaval, as expectativas são ainda menores, devido ao receio quanto à proliferação do vírus. Até o momento, só três capitais mantêm a liberação e a organização da folia: Brasília, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Outras 17 estudam se farão os festejos. Duas informaram o cancelamento do Carnaval: Teresina e Campo Grande.

Mesmo nas três capitais em que houve liberação para os festejos, os gestores não descartam o cancelamento, caso seja identificada alta no número de casos e de mortes nas próximas semanas.

A infectologista Ana Helena Germoglio ressalta que decidir hoje se dá para ter Carnaval é imprudente. “Fazer previsões para muitos meses há uma semana já era difícil. Hoje, depois do surgimento da Ômicron, torna-se muito imprudente. Nós ainda não sabemos o comportamento dela e vamos precisar parar algumas semanas até que a ciência nos dê essa resposta”, afirmou a especialista.

Capitais

A reportagem do Metrópoles entrou em contato com as 27 capitais brasileiras. Do total, 24 responderam ao questionamento sobre a realização dos eventos e o medo da disseminação da Ômicron.

Veja no mapa como fica o cenário das festas de Ano-Novo e Carnaval: 

Confira detalhes sobre a situação de cada capital até o momento (em ordem alfabética): 

Aracaju (SE)

A Prefeitura de Aracaju ainda não decidiu pela realização de eventos de grande porte na capital sergipana, como a tradicional festa de Réveillon na Orla da Atalaia e os festejos carnavalescos. De acordo com a gestão municipal, a transmissão comunitária de novas variantes do coronavírus requer de toda a população a manutenção de cuidados preventivos.

“Nesse sentido, o município segue analisando diariamente os boletins epidemiológicos elaborados pela Secretaria Municipal da Saúde para a adoção de medidas de flexibilização das restrições impostas para o controle da pandemia de Covid-19. A prefeitura não chegou a abrir edital para a realização do Carnaval”, informou a prefeitura, em nota ao Metrópoles.

Belém (PA)

A Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel) e os demais órgãos da Prefeitura de Belém avaliam a possibilidade de haver a realização de festa de Réveillon. “Uma reunião com as secretarias envolvidas está agendada, para que o assunto ainda seja discutido. Até o momento, não há a definição de eventos para o Réveillon”, disse a instituição.

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que a capital do Pará tem condições de promover eventos no Carnaval 2022. O anúncio foi feito em reunião, realizada na tarde da última quinta-feira (25/11), com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos da cidade e de outros distritos.

“Reconhecemos a importância do Carnaval, a resistência e expressão da arte popular, e o fato de Belém ter um contingente enorme de trabalhadores do mercado informal criando renda por meio dele. Estou muito determinado em manter a realização das festividades”, disse Rodrigues.

Belo Horizonte (MG)

A Prefeitura de Belo Horizonte informou que não planejou comemoração de Réveillon para a virada do ano de 2021 para 2022.

“O protocolo vigente permite a realização de festas em espaços licenciados ou mediante licenciamento, desde que todas as pessoas apresentem teste negativo ou comprovante de vacinação completa, entre outras regras”, pontuou a gestão municipal.

“Entretanto, a prefeitura monitora de maneira permanente o cenário da pandemia e, em caso de piora dos indicadores epidemiológicos e assistenciais, a situação pode ser reavaliada, assim como ocorreu em outros momentos”, prosseguiu.

A Secretaria Municipal de Saúde informou ainda que não é possível prever a situação epidemiológica para fevereiro de 2022. “O que se pode afirmar, a princípio, é que, se o Carnaval fosse hoje, não seria possível a realização desse evento na cidade.”

Brasília (DF)

Em outubro deste ano, a celebração do Carnaval em Brasília foi completamente descartada. No entanto, em 19 de novembro, com o arrefecimento dos números de contaminados e mortos pela Covid-19 na capital, o secretário de Cultura e Economia Criativa do DF, Bartolomeu Rodrigues, anunciou que se prepara para a folia em 2022. 

Na mesma data, foi aberto um cadastro dos blocos de rua para organizar quais deverão participar. Embora o cenário esteja incerto, a ideia do governador Ibaneis Rocha é de que a festa, que não ocorreu em 2021, seja retomada em 2022. Com a nova situação da variante Ômicron, o secretário volta a analisar o cenário. “Estamos observando essa nova situação. Espero definir tudo na semana que vem”, disse ao Metrópoles.

O DF também mantém a preparação do Réveillon. A Secretaria de Cultura se organiza para ter cinco palcos espalhados pelas regiões do Distrito Federal. Ainda não se sabe se o palco da Esplanada dos Ministérios será o maior, devido à programação. O resultado deve sair nos próximos dias.

Campo Grande (MS)

Em Campo Grande, as festas de Réveillon e Carnaval foram canceladas pelo prefeito Marquinhos Trad, mesmo tendo 80% da população elegível, ou seja, de 12 anos ou mais, completamente imunizada contra a Covid-19. 

“Clubes, agremiações e espaços privados que desejarem realizar as festividades deverão seguir todas as regras de biossegurança. A decisão é decorrente da preocupação quanto à circulação de novas variantes e a um possível aumento no número de casos”, afirmou a prefeitura, em nota enviada ao Metrópoles

Cuiabá (MT)

Ao Metrópoles a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá informou que não há definição sobre o Carnaval 2022. Ainda segundo a pasta, não foram publicados editais para o funcionamento da festa. “Por enquanto, apenas reuniões.”

Sobre o Réveillon, o prefeito da cidade, Emanuel Pinheiro, deverá anunciar, nesta terça-feira (29/11), se haverá ou não a festa.

Curitiba (PR)

Curitiba, tradicionalmente, não promove festa de passagem de ano. Por sua vez, o edital para a realização do Carnaval 2022 foi lançado em setembro deste ano. Mas, no próprio edital, foi informado que o formato depende do cenário da pandemia nas semanas que antecedem a festa popular. “Então, haverá Carnaval, mas não sabemos se da forma tradicional ou se será digital”, contemporizou o município.

Florianópolis (SC)

A Prefeitura de Florianópolis informou à reportagem que mantém o planejamento do Réveillon deste ano, mas sem shows em palcos, para evitar aglomerações. O município organiza uma espécie de show pirotécnico, com algumas balsas na beira-mar norte, além da utilização da Ponte Hercílio Luz.

A gestão municipal também planeja realizar o Carnaval em 2022. Um edital para seleção de organizações da sociedade civil interessadas em participar de projetos carnavalescos foi aberto em outubro. A prefeitura liberou R$ 3,6 milhões para vinculação a projetos culturais.

A assessoria da prefeitura, no entanto, ressaltou que os trâmites estão prontos, mas a decisão só será tomada em data próxima ao evento. “Floripa ainda não definiu sobre Carnaval. Estamos monitorando a situação epidemiológica, dia a dia”, informou ao Metrópoles a assessoria de imprensa da prefeitura.

Fortaleza (CE)

A Prefeitura de Fortaleza informou que, segundo o Decreto Municipal nº 15.190, publicado no Diário Oficial nº 17.197, estão proibidas as festas de fim de ano e de Réveillon, públicas ou privadas, que não observem o limite de capacidade de público previsto: até 2,5 mil pessoas em ambiente fechado e 5 mil em ambiente aberto. “O ingresso de pessoas em eventos de qualquer natureza e porte, restaurantes, bares e barracas de praia fica condicionado à apresentação de passaporte sanitário.”

Ainda não há definição sobre o Carnaval 2022.

Goiânia (GO)

A capital de Goiás não terá Ano-Novo, que fica sob a responsabilidade do governo estadual. A festa não foi nem mesmo marcada.

Em relação ao Carnaval, ainda não há nada oficial, nem eventos previstos, “mesmo porque todas as decisões são fundamentadas em recomendações de autoridades sanitárias”, informou a Prefeitura de Goiânia. 

A Secretaria de Cultura do município disse que não foi publicado nem mesmo o edital para o Carnaval em 2022. 

João Pessoa (PB)

O Prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena, informou, na segunda-feira (29/11), o cancelamento da tradicional festa de Réveillon nas areias da Praia de Tambaú.

“Uma decisão difícil, mas necessária. Pensando na segurança e saúde de todos nós, a tradicional festa de Réveillon nas areias da Praia de Tambaú não será realizada este ano. Sigamos firmes na fé, acreditando que, no próximo ano, teremos uma linda celebração”, disse o gestor municipal, em uma rede social.

Em resposta ao Metrópoles, a assessoria de imprensa do município acrescentou que, sobre o Carnaval 2022, ainda não foi definido nada.

Manaus (AM)

O prefeito David Almeida disse, na segunda-feira (29/11), que o Réveillon está mantido, mas pode ser adiado, a depender do cenário epidemiológico.

“Estamos tratando disso com muita cautela. Nós temos a contratação de um evento para o Réveillon, mas estamos analisando os índices de contágio da nova variante e buscando, dentro dos dados estatísticos de contágio, a liberação ou não do Carnaval ou do Réveillon”, disse Almeida, em áudio enviado ao Metrópoles pela Secretaria de Cultura da cidade. 

“Nós fizemos vários eventos-teste. Manaus vive uma realidade diferente. Até o dia 10 ou 12, teremos uma definição sobre a realização do Réveillon. Cautela e prudência são as nossas duas aliadas nesse momento. Manaus sofreu muito no início do ano e não queremos que isso retorne. Nós já temos contratado o evento e, caso seja necessário, podemos adiá-lo para uma data posterior, mas, se formos fazer o evento, faremos com a segurança que ele requer”, prosseguiu o prefeito.

Natal (RN)

Ao Metrópoles a Prefeitura de Natal informou, por telefone, ter uma programação de Réveillon “muito modesta, com bandas locais e um show de virada”. “Por enquanto [o evento] está mantido, mas estamos avaliando o cenário epidemiológico”, ressaltou. 

A promoção de eventos relacionados ao Carnaval 2022 não foi definida. “Não sabemos se vai ter ou se não vai ter. Ainda não temos o edital”, acrescentou a cidade potiguar.

Rio de Janeiro (RJ)

A capital mantém as festas. Para os gestores, “não há, no momento, evidência científica que indique a necessidade de restrição à realização de eventos na cidade”, informou a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Dessa maneira, o Réveillon e o Carnaval seguem de pé.

Os eventos no município foram retomados desde 17 de setembro e, nessas 10 semanas, “não houve qualquer aumento no número de casos na cidade”, assegurou a prefeitura. “Pelo contrário: as internações pela Covid-19 são cada vez mais raras e todos os indicadores de monitoramento da pandemia seguem em queda sustentada”, acrescentou.

A prefeitura disse que seguirá monitorando o panorama epidemiológico e, em caso de mudança, poderá alterar as medidas.

Recife (PE)

A Prefeitura do Recife esclareceu, em nota, que a possibilidade de realização de eventos festivos, tais como o Réveillon e o Carnaval 2022, está “sujeita à deliberação das autoridades sanitárias”. A capital pernambucana entende que apenas com a superação da pandemia será possível assegurar os eventos, com as características deste ciclo cultural.

“Até então, a cidade continua somando esforços no sentido de ampliar cada vez mais a cobertura vacinal de seus munícipes com estratégias de descentralização de imunização e de testagem em diversos locais da cidade, além de contar com 22 pontos de vacinação fixos, que funcionam de domingo a domingo, das 7h30 às 18h30”, informou.

No último dia 19, em agenda com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, o prefeito do Recife, João Campos, propôs a criação de comitê interdisciplinar entre as cidades que realizam os maiores carnavais do país, como São Paulo, Recife, Salvador, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. “O objetivo do comitê é garantir ações de monitoramento e formulação de políticas de saúde que cumpram recomendações sanitárias para deliberar sobre o ciclo momesco, maior festa do país e com fomento à economia, sobretudo na cadeia criativa, de turismo e lazer.”

Rio Branco (AC)

A Prefeitura de Rio Branco não deixou claro se pretende realizar o Réveillon e/ou o Carnaval. Em nota enviada ao Metrópoles, apenas foi informado que está permitida a realização de eventos culturais, religiosos, shows artísticos, festivais e afins no nível de risco de atenção (bandeira amarela) e cuidado (bandeira verde) relacionados à pandemia da Covid-19, limitado a 50% e 80%, respectivamente, da capacidade do espaço livre, estabelecendo o fluxo e a permanência de pessoas (clientes e colaboradores) dentro do espaço reservado ao evento.

“Dessa forma, as ações de fiscalização dos órgãos de saúde deverão ser pautadas no cumprimento por parte dos organizadores dos eventos, do protocolo sanitário anexo à supracitada norma”, explica a nota.

Salvador (BA)

Neste ano, a capital baiana não terá o Festival Virada Salvador, festejo público de Réveillon promovido pela prefeitura. O anúncio foi realizado pelo prefeito Bruno Reis, na segunda-feira, durante a inauguração da sede do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), no bairro de Castelo Branco.

De acordo com o prefeito, mesmo com o avanço da vacinação, o cenário de incertezas provocado neste momento pela Covid-19 levou à conclusão de que não há como realizar o Festival da Virada em 2021, com segurança sanitária aos cidadãos. Geralmente, o evento recebe mais de 250 mil pessoas/dia.

“Sempre disse que íamos avaliar o que está acontecendo no Brasil e no mundo, como a pandemia está se comportando em lugares com índices diferentes de vacinação. No entanto, chegamos ao limite da decisão para o Réveillon e nós acreditamos que, diante de tudo o que estamos vendo, não é o momento de colocar em risco tudo o que construímos até aqui”, disse Bruno Reis.

Sobre o Carnaval, o prefeito declarou que a decisão será tomada em conjunto entre a prefeitura e o governo do estado, considerando toda a segurança e cautela e será anunciada assim que possível, mediante o cenário atual da Covid-19.

São Luís (MA)

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide, anunciou, na segunda-feira, que não irá realizar o Réveillon na capital.

“Temos enfrentado a pandemia com determinação. Com isso, diante do surgimento da nova variante do coronavírus, tomei a decisão de não realizarmos o Réveillon em São Luís. O momento nos pede prudência e responsabilidade. A nossa principal missão é cuidar das pessoas”, disse, em uma rede social.

Procurada, a assessoria do prefeito não respondeu sobre a realização do Carnaval 2022.

São Paulo (SP)

A Prefeitura de São Paulo informou que o Réveillon e o Carnaval 2022 estão sendo planejados e a realização do evento está condicionada ao quadro epidemiológico relativo à pandemia de Covid-19 e ao entendimento das autoridades de saúde pública.    

Palmas (TO)

A Prefeitura de Palmas informou que, por causa da pandemia, neste ano não haverá programação oficial de Réveillon na capital.

“Com relação ao Carnaval, a gestão continua monitorando os indicadores epidemiológicos e o avanço da vacinação, e considera que, nas condições atuais, é precoce tomar qualquer decisão a respeito desse tema, uma vez que, por se tratar de uma festa de rua, é impraticável manter as medidas de distanciamento social”, prosseguiu.

Porto Alegre (RS)

A Prefeitura de Porto Alegre informou, em nota ao Metrópoles, que trabalha com a possibilidade de realização do Réveillon este ano. Entretanto, os detalhes da festa ainda não estão definidos. Sobre o Carnaval, a previsão é que os eventos aconteçam na metade do mês de março. 

“Os protocolos em relação à Covid-19 atendem a normas dos governos federal e estadual e são constantemente atualizados e respeitados. Salientamos que o planejamento que apresentamos corresponde ao atual cenário epidemiológico”, assegurou a cidade. 

Porto Velho (RO)

A Prefeitura de Porto Velho informou apenas que não há definição sobre as festas de Réveillon e Carnaval 2022.

Teresina (PI)

A Prefeitura de Teresina informou que não terá um calendário de comemorações de fim de ano e de Carnaval 2022. “O prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, seguirá as orientações do Comitê de Operações Emergenciais (COE) do município, que se reúne constantemente a fim de avaliar o cenário da pandemia a nível mundial. Já estava decidido.”

Vitória (ES)

A Prefeitura de Vitória informou que, neste momento, a prioridade é a completa imunização dos moradores da capital e a manutenção de medidas sanitárias de enfrentamento à Covid-19.  

“Até a presente data, não há definição sobre as festas de Réveillon e Carnaval na capital. Todas as decisões serão baseadas em critérios científicos e sanitários, ouvindo os profissionais da saúde e preservando a vida e a integridade física dos moradores”, acrescentou a prefeitura, em nota ao Metrópoles.

Boa Vista (RR), Macapá (AP) e Maceió (AL) não responderam à reportagem.

Mais lidas
Últimas notícias