Economia: “Novo Serviço Público” não tira estabilidade e salário

Governo assegura que reforma administrativa “tem como premissa a manutenção da estabilidade, do emprego e do salário dos atuais servidores”

Foto: Rafaela Felicciano/MetrópolesFoto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 29/10/2019 20:20

O Ministério da Economia divulgou na noite desta terça-feira (29/10/2019) uma nota de esclarecimento para assegurar que a “agenda de transformação do Estado” em elaboração pelo governo manterá intactos a estabilidade, o emprego e o salário dos atuais servidores.

O presidente Jair Bolsonaro já havia ligado durante sua viagem à Ásia para o ministro da Economia, Paulo Guedes, para conversar sobre as propostas, e decidiu descartar mudanças na regra que garante o reajuste do salário mínimo pela inflação e na estabilidade dos servidores atuais.

Em nota, a pasta diz que prepara uma “ampla agenda de transformação do Estado brasileiro”, o que inclui uma proposta de um “Novo Serviço Público”, para ampliar a oferta de serviços públicos de qualidade.

“É importante ressaltar que a proposta, que ainda não foi apresentada, tem como premissa a manutenção da estabilidade, do emprego e do salário dos atuais servidores”, diz o comunicado.

A nota foi divulgada para evitar ruídos antes mesmo de a proposta chegar ao Congresso Nacional.

“O objetivo do governo é, em debate contínuo com o Congresso Nacional, promover alterações estruturais que promovam a eficiência do Estado brasileiro e o equilíbrio orçamentário de todos os entes federados”, acrescenta a nota.

Últimas notícias