metropoles.com

Semana de quatro dias: empresas adotam modelo de jornada reduzida

Companhias brasileiras adotam o sistema de três dias de folga em prol do bem-estar profissional e para evitar Burnout

atualizado

Compartilhar notícia

Luis Alvarez/Getty
Escritorio-computadores-trabalho-trabalhadores
1 de 1 Escritorio-computadores-trabalho-trabalhadores - Foto: Luis Alvarez/Getty

São Paulo – Uma jornada com quatro dias de trabalho e três de folga. Essa virou a realidade de algumas empresas brasileiras. O sistema, adotado em outros países, pode aumentar a produtividade e evitar o esgotamento do profissional, chamado de Burnout.

No Reino Unido, 30 companhias testarão, a partir de junho, a jornada de trabalho reduzida a 32 horas semanais, porém, o melhor: com salário inalterado. Na Islândia, pesquisadores do centro de estudos Autonomy e da Associação para a Democracia Sustentável analisaram que os trabalhadores  relataram se sentir menos estressados e cansados nesse esquema.

A medida pode trazer vantagens para a saúde física e mental, segundo Eduardo Perin, psiquiatra e especialista em terapia cognitivo comportamental. “A ideia dá oportunidade para as pessoas terem mais vida fora do trabalho, com lazer e interação social”, disse, ao Metrópoles.

Modelo no Brasil

Companhias como a Zee.Dog, de produtos para pets, que possui escritório físico em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, adotou a jornada em março do ano passado. Focada em comunicação, a gaúcha Shoot, que aposta no regime de home office e tem funcionários pelo país todo, fez o mesmo.

Especialista em serviços e consulta em tecnologia, a Crawly adotou um esquema no qual os funcionários trabalham de segunda a quinta-feira, com uma carga horária de 8 horas diárias, sem prejuízo de salário.

“O modelo já era vigente desde a fundação da empresa para os desenvolvedores, por eles terem uma carga de trabalho elevada. E, no começo da pandemia, foi implementado para a empresa toda”, relatou a gerente financeira Luísa Lana de Moraes.

Em alguns casos, os funcionários podem ter um “final de semana” de até quatro dias quando ocorre um feriado na semana. A gerente explica que os horários também funcionam de maneira flexível, de acordo com “o que for melhor para o trabalhador”.

“Quando implementamos um benefício assim, as pessoas começam a trabalhar melhor. A produtividade é bem maior de segunda a quinta, porque sexta já é um dia em que o funcionário está cansado da rotina da semana”, pontuou Luísa.

Medida pode evitar Burnout

Para Eduardo Perin, a semana de quatro dias é importante aliada para evitar a exaustão do trabalhador chamada de Síndrome de Burnout,  um esgotamento profissional que faz o empregado travar e perder a capacidade de trabalhar.

“Pode levar a pessoa a ter problemas de sono e sintomas ansiosos, depressivos e, até mesmo, crises de pânico – tudo relacionado a uma sobrecarga de trabalho”, explica.

O crescente esgotamento de trabalhadores liga um alerta e gera questionamentos sobre o atual modelo de trabalho. Segundo levantamento do ano passado da empresa de recrutamento Robert Half, 49% dos profissionais brasileiros com mais de 25 anos estão em busca de novas oportunidades de emprego.

Os números acompanham o cenário internacional, no qual uma onda de demissões voluntárias, batizada de “the great resignation”, traz mudanças para o esquema de trabalho clássico e busca novas soluções.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações