Sem aval da Anvisa, Consórcio Nordeste suspende compra da Sputnik V

De acordo com o Fundo Soberano Russo, as vacinas que seriam destinadas para o Brasil serão enviadas agora para o México, Argentina e Bolívia

atualizado 05/08/2021 19:26

Wellington Dias_Consórcio NordesteMichael Melo/Metrópoles

O governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias (PT), anunciou, nesta quinta-feira (5/8), a suspensão da importação da Sputnik V, vacina contra a Covid-19, pelo grupo. O assunto foi tratado em reunião com o Fundo Soberano Russo.

O acordo que previa a compra de 37 milhões de doses da vacina foi suspenso, segundo Dias, “em detrimento de novas limitações impostas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“É lamentável. O Brasil vive uma situação com alta mortalidade, mais de mil óbitos por dia. Temos vacinas disponíveis, mas impedidas de entrar no Brasil devido uma decisão da Anvisa que faz uma alteração no padrão de teste, junto com a não inclusão do Ministério da Saúde no plano nacional de vacinação e a falta da licença de importação, tivemos a suspensão da entrega da vacina até que se tenha uma autorização do uso do imunizante no Brasil”, reclama o governador.

A previsão, de acordo com o contrato, era a entrega de 37 milhões de doses, sendo as primeiras 2 milhões de doses previstas para ainda em abril. Até o momento nenhuma dose havia sido desembarcada em território brasileiro.

“A suspensão da compra acontece em meio a divergências nos padrões de testes exigidos pela Anvisa que não foram solicitadas para imunizantes de outros laboratórios”, diz o governador, em nota.

Em resposta, a Anvisa esclareceu que “ao autorizar a importação excepcional da vacina Sputnik V, foram estabelecidos 22 condicionantes a serem cumpridos pelos importadores, os quais tiveram o objetivo de preencher lacunas de informação existentes quanto aos aspectos de qualidade, segurança e eficácia da vacina para permitir uma utilização controlada, segura e inicial da vacina Sputnik V no Brasil”.

A Agência afirmou, também, que não acrescentou nenhuma condição além daquelas já estabelecidas na decisão que liberou a importação da vacina Sputnik V.

México, Argentina e Bolívia

De acordo com o Fundo Soberano Russo, as vacinas que seriam destinadas para o Brasil serão enviadas agora para o México, Argentina e Bolívia. Também foi informado: “Assim que o Brasil decidir, as vacinas estarão disponíveis para envio imediato para atender à necessidade do povo brasileiro”.

Mais lidas
Últimas notícias