Seis pacientes de Covid-19 morrem por falta de oxigênio no Pará

Município de Faro, divisa com o estado do Amazonas, sofre com falta do insumo para tratar pacientes com o novo coronavírus

atualizado 19/01/2021 16:05

Com falta de oxigênio, Itacoatiara faz corrida a Manaus para reabastecer cilindros do gásHugo Barreto/Metrópoles

Pacientes de Covid-19 sofrem com falta de oxigênio em Faro, município no interior do Pará, localizado na divisa com o estado do Amazonas. Segundo a prefeitura, ao menos seis pessoas morreram nas últimas 24h por asfixia na região. A informação foi divulgada nesta terça-feira (19/1).

Oito pessoas que estão internadas em estado grave na comunidade de Nova Maracanã precisam ser transferidas para outras unidades de saúde. No entanto, o município ainda não conseguiu ajuda, uma vez que as cidades mais próximas — Terra Santa (PA) e Nhamundá (AM) — não têm estrutura suficiente. As informações são do Estadão.

Em nota, o governo do Pará informou que distribuiu 20 cilindros de oxigênio ao município de Faro na última segunda-feira (18/1), “em caráter preventivo”. A substância foi comprada em Santarém, no oeste do estado.

No entanto, ao Estadão, profissionais de saúde afirmam que a quantidade garante apenas dois dias de tratamento para os pacientes que estão internados.

“Nós estamos vivendo uma crise, na contramão para tentar salvar vidas. Estamos trabalhando 24 horas para isso”, disse o médico Yordanes Perez.

Segundo o governo estadual, além de Faro, outras regiões também receberam tanques de oxigênio: Oriximiná ficou com 79 balas, Terra Santa recebeu 20 cilindros, e Juruti, 30.

Distribuição de oxigênio

Apesar do estado crítico em Faro, o governo paraense afirmou, em nota, que “atende a totalidade das demandas de suas 144 cidades”, com capacidade, inclusive, para prestar apoio aos estados do Amapá e do Maranhão. A capacidade diária de oxigênio produzida no estado é de 58 mil metros cúbicos.

O governo do Pará é responsável por comprar oxigênio e abastecer os hospitais estaduais. Nas instituições de saúde municipais, a aquisição do produto e a manutenção dos contratos é responsabilidade de cada prefeitura.

“Também damos um apoio na intermediação para que os prefeitos sejam atendidos pelas empresas fornecedoras de oxigênio”, explica o secretário adjunto de Gestão Administrativa da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), Ariel Barros

A secretaria de saúde do estado ressalta, ainda, que emitiu alerta às secretarias municipais para “evitar baixas e falta de um elemento tão essencial à vida”. De acordo com o órgão, duas empresas são responsáveis pelo fornecimento de oxigênio no estado: a White Martins e a Air Liquide.

Segundo a Sespa, desde o início da pandemia, 311 mil pessoas foram contaminadas pela Covid-19 e 7,4 mil morreram pela doença. Em Faro, são 549 pessoas infectadas pelo coronavírus.

Últimas notícias