Salário médio de contratação pelo regime da CLT cai 5,6% em um ano

Em maio de 2021, a média de remuneração era de R$ 2.010. No mesmo período deste ano, houve queda significativa, e o valor ficou em R$ 1.898

atualizado 05/07/2022 10:08

Carteira de trabalhoRafaela Felicciano/Metrópoles

De acordo com levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência, o salário médio de contratados com carteira assinada teve uma queda de 5,6% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Os dados apontam que a média salarial em maio de 2022 ficou em R$ 1.898; no ano passado, o número apurado correspondia a R$ 2.010.

Os valores estão corrigidos conforme a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Veja a variação dos salários iniciais de trabalhadores com carteira assinada em um ano, segundo o Caged:

  • Maio de 2021 – R$ 2.011
  • Junho de 2021 – R$ 2.014
  • Julho de 2021 – R$ 1.982
  • Agosto de 2021 – R$ 1.957
  • Setembro de 2021 – R$ 1.936
  • Outubro de 2021 – R$ 1.913
  • Novembro de 2021 –  R$ 1.880
  • Dezembro de 2021 – R$ 1.880
  • Janeiro de 2022 – R$ 1.994
  • Fevereiro de 2022 – R$ 1.919
  • Março de 2022 – R$ 1.901
  • Abril de 2022 – R$ 1.916
  • Maio de 2022 – R$ 1.898

Em maio de 2022, de acordo com o governo federal, foram criados 277 mil empregos de carteira assinada. No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, o país soma 1,05 milhão de novos postos formais.

Quanto aos segmentos que empregaram trabalhadores com os maiores salários, constam: o setor de organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais, que paga salário inicial médio de R$ 5.682; o setor de eletricidade e gás, com renda de R$ 3.944; e o setor de atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados, cuja remuneração média é de R$ 3.940.

Em contrapartida, são elencados entre os menores salários: os empregados domésticos, que recebem em média R$ 1.343; o setor de alojamento e alimentação, que paga R$ 1.494; e o setor de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, com remuneração inicial média de R$ 1.645.

Desemprego

Conforme aponta levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), a taxa de desemprego no Brasil caiu para 9,8% no trimestre encerrado em maio – o que corresponde à menor taxa para o período desde 2015, quando o índice registrado foi de 8,3%.

Em relação ao trimestre anterior, de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, houve queda de 1,4 ponto percentual (p.p.) e, na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, a redução alcançou 4,9 p.p.

A população desocupada recuou em 1,4 milhão de brasileiros e, agora, é estimada em 10,6 milhões de pessoas – ou seja, a queda é de 11,5% em relação ao trimestre anterior. No ano, registrou-se o índice de 30,2%, equivalente a menos 4,6 milhões de indivíduos desocupados no período.

Já o número de pessoas ocupadas, de 97,5 milhões, é o maior da série histórica, iniciada em 2012. Esse indicador mostrou alta de 2,4% na comparação com o trimestre anterior e de 10,6% em âmbito anual. Isso equivale a um aumento de 2,3 milhões de pessoas no trimestre e de 9,4 milhões de ocupados no ano.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

 

Mais lidas
Últimas notícias