metropoles.com

Saiba quem é o nº 3 da Abin afastado por suspeita de espionagem

A Polícia Federal apura uso indevido por servidores da Abin do sistema de geolocalização de celulares sem autorização da Justiça

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/ Abin
Paulo Fortunato, diretor da Abin, afastado por suspeita de espionagem irregular
1 de 1 Paulo Fortunato, diretor da Abin, afastado por suspeita de espionagem irregular - Foto: Reprodução/ Abin

O secretário de planejamento, atual número 3 da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Paulo Maurício Fortunato Pinto, foi afastado de seu cargo por suspeita de integrar um esquema de espionagem irregular contra jornalistas, políticos, ministros e adversários do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A determinação partiu do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Nesta sexta-feira (20/10), a Polícia Federal deflagrou a Operação Última Milha para investigar o uso indevido do software FirstMile sem autorização da Justiça por servidores da Abin. Paulo Mauricio Fortunato Pinto teria sido o nome do alto escalão que teve apreendido em sua residência US$ 171.800 em espécie.

0

O número 3 da Abin é oficial de Inteligência, formado em Ciências Econômicas, especialista em contrainteligência, contraterrorismo e análise do Crime Organizado Transnacional.

Antes de ocupar o cargo de secretário de Planejamento e Gestão, foi diretor do epartamento de Contrainteligência, diretor interino do Departamento de Inteligência Estratégica, diretor do Departamento de Operações de Inteligência.

Também foi superintendente do Mato Grosso do Sul, coordenador-geral de Análise do Crime Organizado e coordenador-geral de Operações dos departamentos de Inteligência, contrainteligência e contraterrorismo. Exerceu ainda o cargo de coordenador de Ensino de Operações da Escola de Inteligência (Esint).

Segundo perfil dele, disponibilizado pela Abin, o oficial atuou como conselheiro do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e como representante no Conselho Nacional Antidrogas (Conad). No exterior, exerceu a função de adido de Inteligência na Embaixada do Brasil na Argentina no período de 2010 a 2011.

Afastamentos da Abin

Além de Fortunato, outros quatro oficiais da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) foram afastados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da Polícia Federal (PF).

Dois servidores foram presos preventivamente e a PF cumpre 25 mandados de busca e apreensão. As prisões e afastamentos foram no Distrito Federal. Já os mandados de busca também incluíram endereços em Goiás, São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

Entre os que foram afastados há diretores que entraram na época do governo de Jair Bolsonaro, mas que permaneceram no cargo até os dias atuais.

A coluna Na Mira, do Metrópoles, apurou que um dos presos na operação é Rodrigo Colli, profissional da área de contrainteligência cibernética da agência. O outro é o oficial de inteligência Eduardo Arthur Izycki.

FirstMile

Sem autorização

De acordo com as investigações, os servidores usavam de forma ilegal o sistema de geolocalização de celulares, sem autorização da Justiça.

Os investigados podem responder pelos crimes de invasão de dispositivo informático alheio, organização criminosa e interceptação de comunicações telefônicas, de informática ou telemática sem autorização judicial ou com objetivos não autorizados em lei.

Em nota divulgada nesta sexta, a Abin informou que o software de espionagem investigado pela Polícia Federal deixou de ser utilizado em maio de 2021 e que desde fevereiro deste ano há uma investigação interna sobre irregularidades no uso desse programa. Informações colhidas nessa sindicância foram compartilhadas com a PF e o STF, segundo a agência de inteligência. Além disso, os afastamentos temporários de servidores determinados pela justiça foram cumpridos.

Crise de confiança

Desde o começo da atual gestão do presidente Lula há uma crise de confiança de parte do governo com a Abin. O número dois da Agência, o diretor adjunto Alessandro Moretti, é próximo do ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro, Anderson Torres, que chegou a ser preso por suspeita de omissão nos ataques golpistas de 8 de janeiro. Mesmo com essa relação, ele foi nomeado para a cúpula da Agência em março.

Paulo Maurício Fortunato Pinto também provocou fragilidade na relação de parte do governo com a Abinao ser nomeado como secretário de Planejamento e Gestão da Abin.

Fortunato Pinto já foi afastado em 2008, no governo Lula, por envolvimento em escutas ilegais contra políticos e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) na Operação Satiagraha.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações