metropoles.com

Quem era Karol Eller, influencer bolsonarista que morreu em SP

Influencer Karol Eller atuava como assessora do deputado Paulo Mansur (PL-SP) e havia anunciado processo de renúncia à própria sexualidade

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Redes sociais
Karol Eller, influenciadora digital bolsonarista
1 de 1 Karol Eller, influenciadora digital bolsonarista - Foto: Reprodução/Redes sociais

A influencer Karol Eller, apoiadora do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), morreu nesta quinta-feira (12/10), em São Paulo. Antes, ela havia publicado, nas redes sociais, mensagens com afirmações como “perdi a guerra” e “lutei pela pátria”. Em setembro, a influenciadora, que era lésbica, iniciou um processo de renúncia à própria sexualidade, após retornar de um retiro religioso.

O falecimento foi confirmado por diversos parlamentares, como os deputados Paulo Mansur (PL-SP) e Nikolas Ferreira (PL-MG), e os membros da família Bolsonaro, o deputado Eduardo (PL-SP) e o senador Flávio (PL-RJ), que lamentaram o ocorrido nas redes sociais.

O caso foi registrado como “suicídio consumado”, no 27º Distrito Policial, por volta das 22h dessa quinta-feira.

“Sim, eu renunciei à prática homossexual, eu renunciei vícios e renunciei os desejos da minha carne para viver em Cristo! Que Deus abençoe vocês!”, anunciou Karol Eller nas redes sociais.

Prima de terceiro grau da cantora Cassia Eller, Karol tinha 36 anos. Antes de se tornar influenciadora digital, chegou a ser promotora de eventos e relatava como era viver nos Estados Unidos (EUA). Ela acumulava mais de 200 mil seguidores no Instagram e 700 mil no Facebook.

0

Há quatro anos, ela disse ter sido vítima de um ataque homofóbico na praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. A delegada que cuidava do caso, Adriana Belém, descartou que se tratava disso. “Nós não podemos admitir que você utilize a delegacia, a máquina administrativa do Estado, chegue aqui e minta”, disse Belém à época, afirmando que Eller poderia ser indiciada por denunciação caluniosa.

Aproximação de Karol Eller da família Bolsonaro

No fim de 2019, após se aproximar da família Bolsonaro, foi nomeada em cargo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Foi exonerada no início deste ano, após participar dos ataques antidemocráticos de 8 de janeiro.

Na ocasião, ela escreveu nas redes sociais: “Estão procurando culpados, mas cabe a cada um de nós apresentar provas, pois fatos não podem ser contestados, de que nossa intenção era participar de uma manifestação pacífica, conforme assegura a Constituição”.

Depois, foi nomeada assessora do deputado Paulo Mansur.

Um dos membros mais próximos de Karol Eller era o filho 04 do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL-RJ), Renan. Ela também já foi vista inúmeras vezes ao lado de ex-ministros como Paulo Guedes e Damares Alves.

Busque ajuda

Metrópoles tem a política de publicar informações sobre casos de suicídio ou tentativas que ocorrem em locais públicos ou causam mobilização social. Isso porque é um tema debatido com muito cuidado pelas pessoas em geral. O silêncio, porém, camufla outro problema: a falta de conhecimento sobre o que, de fato, leva essas pessoas a se matarem.

Depressão, esquizofrenia e uso de drogas ilícitas são os principais males identificados pelos médicos em um potencial suicida. Há problemas que poderiam ser tratados e evitados em 90% dos casos, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria.

Está passando por um período difícil? O Centro de Valorização da Vida (CVV) pode te ajudar. A organização atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio, atendendo, voluntária e gratuitamente, todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e Skype, 24 horas, todos os dias.

O Núcleo de Saúde Mental (Nusam) do Samu também é responsável por atender demandas relacionadas a transtornos psicológicos. O Núcleo atua tanto de forma presencial, em ambulância, como a distância, por telefone, na Central de Regulação Médica 192.

Disque 188

A cada mês, em média, mil pessoas procuram ajuda no Centro de Valorização da Vida (CVV). São 33 casos por dia, ou mais de um por hora. Se não for tratada, a depressão pode levar a atitudes extremas.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada dia, 32 pessoas cometem suicídio no Brasil. Hoje, o CVV é um dos poucos serviços em Brasília em que se pode encontrar ajuda de graça. Cerca de 50 voluntários atendem a quem precisa, 24 horas por dia.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações