metropoles.com

Proposta de reajuste de 8% para servidores desagrada sindicatos

Governo propôs reajuste linear de 7,8% e aumento de R$ 200 no vale-alimentação de servidores federais. Representantes querem nova reunião

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
greve servidores BC
1 de 1 greve servidores BC - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs a representantes dos sindicatos dos servidores federais um reajuste linear em 7,8% e um aumento no vale-alimentação de R$ 200. Se aceito, entrará em vigor a partir de 1º de março. A reunião entre governo e a classe trabalhadora aconteceu na quinta-feira (16/2) e as informações foram divulgadas nesta sexta-feira (17).

O reajuste no vale-alimentação, segundo o governo, irá beneficiar os servidores que ganham menos. O valor está congelado desde 2016 e passaria de R$ 458 para R$ 658. Os debates vem ocorrendo entre os representantes sindicais e o Ministério da Gestão, chefiado por Esther Dweck. Se aceito pelos servidores, o impacto orçamentário do aumento será de R$ 11,2 bilhões.

“Além do reajuste salarial, que é do interesse de todos os servidores, a proposta do governo se concentra também no auxílio-alimentação devido características desse benefício, sua defasagem e congelamento desde 2016, e ao impacto positivo sobretudo para os servidores federais com os salários mais baixos”, disse o secretário Sérgio Mendonça, em nota.

A expectativa do governo é de enviar a proposta de reajuste ao Congresso Nacional por medida provisória (MP) com efeito imediato após sua publicação.

Sérgio Mendonça esclareceu a proposta de aumento no auxílio-alimentação com exemplos: “Um aumento de R$ 200 no vale-alimentação corresponde a 2% do salário de um servidor que ganha R$ 10 mil, mas corresponde a 5% para os que ganham R$ 4 mil ou a 10% de um que recebe R$ 2 mil”. A não tributação do auxílio-alimentação foi outro ponto levado em consideração na reunião.

Os salários dos servidores federais estão congelados há seis anos. Ao longo da pandemia de Covid-19, uma lei manteve os vencimentos de 2020 e 2021, mas algumas categorias estão sem reajustes desde 2017. Mesmo com a recomposição, o valor ficará abaixo do desejado pela categoria para compensar a defasagem registrada no governo de Jair Bolsonaro (PL).

O que dizem os outros sindicatos 

O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) afirmou que a posição do grupo é solicitar uma nova reunião com o governo para “esclarecimento de alguns pontos, a fim de apresentar uma contraproposta”. O Metrópoles questionou qual seria o percentual apresentado pelo Sinal ao governo contra o reajuste de 7,8%, mas o sindicato ainda debaterá internamente.

Em nota, a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) afirmou que a proposta apresentada pelo governo ainda precisa ser melhor analisada devido aos prejuízos à categoria ao longo dos últimos anos. “Dirigentes da CSPB celebram a retomada de diálogo com o Executivo mas sugerem empenho na busca por mais recursos junto ao Congresso Nacional para que a recomposição das perdas salariais seja plenamente atendida, uma vez que a proposta do governo ainda não cobre o total dos prejuízos acumulados, que já somam 27%”, disse.

De acordo com a CSPB, presidente do Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério das Relações Exteriores (Sinditamaraty), João Marcelo Melo, considera que a proposta apresentada pelo governo ainda está distante de reparar os prejuízos acumulados. “Acreditamos que há espaço para melhorar o cenário desenhado pelo Secretário, mas vai depender da vontade política do governo.”, declarou.

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Distrito Federal (Sindsep) do Distrito Federal, Oton Pereira Neves, informou em nota que os 7,8% está “aquém das necessidades dos servidores”, sendo uma proposta insatisfatória. “A proposta não atende aos anseios da categoria, mas é apenas a primeira proposta do governo. Certamente, as negociações deverão continuar e é possível que o percentual de reajuste seja melhorado”, afirmou Neves.

O site ainda aguarda o retorno do Sindicato dos auditores-fiscais da Receita Federa (Sindifisco).

Como Funciona a mesa de negociação

Coordenada pelo Ministério da Gestão, a Mesa Nacional de Negociação Permanente é formada por duas bancadas: a governamental e a sindical. A primeira é composta pelo Planejamento e Orçamento, Fazenda, Casa Civil, Trabalho e Emprego, Previdência Social, Secretaria Geral da Presidência, Educação e Saúde. Já a sindical é formada pelas entidades representativas dos servidores públicos federais de âmbito nacional.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?