Prometida para esta segunda, greve dos caminhoneiros não emplaca

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) ainda não divulgou balanço nacional sobre o caso. Lideranças locais descartaram adesão ao movimento

atualizado 16/12/2019 11:55

Michael Melo/Metrópoles

Prometida para 5h desta segunda-feira (16/12/2019), a greve dos caminhoneiros não conquistou o apoio da categoria. Por volta das 10h, não havia registro do movimento pelas estradas do país. Inicialmente, a Central Única dos Trabalhadores do Rio de Janeiro (CUT-RJ) anunciou a greve. O grupo reclama do aumento do preço do combustível.

Em estados como Espírito Santo, Mato Grosso e Rio Grande do Sul, lideranças locais descartaram adesão ao movimento. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) ainda não divulgou balanço nacional sobre o caso. Em 2018, a categoria parou por 11 dias.

A mobilização do movimento começou nas últimas semanas. Apoiada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logísticas (CNTTL), instituição ligada à CUT, a categoria está dividida em relação a uma nova greve.

No dia 8 de dezembro de 2019, uma das lideranças dos caminhoneiros autônomos, Marconi França, afirmou que a classe iria realizar uma paralisação nacional nesta segunda-feira.

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informou, por meio de nota, que consultou entidades de representação legal dos caminhoneiros e disse não apoiar a paralisação.

“Esclarecemos que todos os movimentos que reflitam os interesses coletivos legítimos da categoria sempre receberão o apoio da CNTA, com respeito à ordem pública, às instituições, às leis e à sociedade como um todo”, destaca o texto.

Últimas notícias