Previdência: ministra quer idade mínima diferente para mulher do campo

Titular da pasta da Agricultura, Tereza Cristina ressalta que as trabalhadoras do meio rural são mais "envelhecidas e sofridas"

Divulgação/FPADivulgação/FPA

atualizado 04/02/2019 21:16

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, defendeu nesta segunda-feira (4/2) que a reforma da Previdência preveja uma idade mínima diferenciada para a mulher que trabalha no meio rural. Ela argumentou que as mulheres envolvidas nesse tipo de atividade são “mais envelhecidas” e “mais sofridas”. Por isso, deveriam poder se aposentar mais cedo. Uma minuta do projeto em elaboração pelo governo sugere a mesma idade para homens e mulheres. As informações são de O Globo.

“Não li o texto, mas minha preocupação é com as mulheres da área rural, porque elas são mais envelhecidas, elas são mais sofridas”, afirmou a ministra, após participar da cerimônia de abertura dos trabalhos no Legislativo na tarde dessa segunda.

A ministra previu um “debate quente” no Congresso sobre a reforma e defendeu a necessidade de o governo trabalhar a comunicação no tema para conseguir ampliar apoios na sociedade. “É um assunto bom? Não. Duvido que alguém colocaria esse assunto na pauta se pudesse não colocar”, afirmou.

Ela, que é deputada, afirmou que cabe também aos parlamentares convencer seus eleitores sobre a necessidade do projeto. “A gente tem que às vezes convencer nosso eleitor. Cada um dentro da própria casa tem um caso que será afetado nessa transição”, disse Tereza Cristina.

Últimas notícias