metropoles.com

Ricardo Barros é ligado a empresa que negocia compra de R$ 5 bilhões da CanSino

Belcher intermedia compra de 60 milhões de doses do imunizante chinês. Negociação foi apoiada por pessoas próximas ao presidente Bolsonaro

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles – 11 de novembro de 2020
Ricardo Barros, líder do governo na Câmara
1 de 1 Ricardo Barros, líder do governo na Câmara - Foto: Igo Estrela/Metrópoles – 11 de novembro de 2020

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), envolvido nas suspeitas de corrupção na negociação da vacina indiana Covaxin, mantém ligações com a Belcher Farmacêutica, que intermedia a compra de 60 milhões de doses da CanSino, imunizante chinês.

O Metrópoles apurou que a empresa tem sede em Maringá (PR), base eleitoral de Barros e onde ele foi prefeito. A Belcher pertence a Emanuel Ramalho Catori e Daniel Moleirinho Feio Ribeiro, este último filho de Francisco Feio Ribeiro Filho, que é próximo a Ricardo Barros.

Ribeiro Filho foi presidente da Urbanização de Maringá (Urbamar), empresa ligada à prefeitura, quando o prefeito era Ricardo Barros, no mandato entre 1989 e 1992. Quando Cida Borghetti, esposa de Barros, foi governadora do Paraná, o empresário assumiu cargo no Conselho de Administração da Sanepar, a empresa de saneamento paranaense, em 2018.

O Ministério da Saúde negocia a compra de 60 milhões de doses da CanSino, no valor de R$ 5 bilhões. A negociação foi intermediada pela Belcher Farmacêutica, e apoiada por empresários próximos ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), como Carlos Wizard e Luciano Hang.

Em junho, o Ministério da Saúde assinou uma carta de intenções com a farmacêutica. O acordo previa o pagamento de US$ 17 por dose – valor mais alto negociado pelo governo até o momento para uma dose de vacina contra a Covid-19. O contrato ainda não foi fechado e nenhum valor foi pago.

A Belcher é investigada pela Polícia Federal por desvios de verbas na compra de testes para diagnóstico da Covid-19 pelo governo do Distrito Federal.

As investigações revelaram que a empresa teria fornecido propostas fictícias em um processo de dispensa de licitação.

O Metrópoles tenta contato com os citados. O espaço está aberto para manifestações.

CPI vai investigar negociação

Nos próximos dias, a CPI da Covid deve começar a investigar a negociação para a compra da vacina chinesa.

Na semana passada, a CPI iniciou uma nova linha de investigação, dessa vez voltada para apurar denúncias de corrupção no processo de negociação da Covaxin.

A comissão apura por que o governo agilizou os trâmites na compra da vacina indiana. Segundo um levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU), o Ministério da Saúde levou 97 dias para fechar o contrato, enquanto demorou 330 dias para ter um acordo com a Pfizer.

Além disso, de acordo com documentos do TCU, a Covaxin foi a segunda mais cara negociada pelo governo federal, custando US$ 15 a unidade. O valor é quatro vezes maior que o da vacina da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a AstraZeneca, por exemplo.

O contrato entre o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos para compra da Covaxin foi o único acordo do governo que teve um intermediário sem vínculo com a indústria de vacinas – o que foge do padrão das negociações e contratos de outros imunizantes.

O Ministério da Saúde firmou um contrato de R$ 1,6 bilhão para a compra de 20 milhões de doses. O valor ainda não foi pago, mas está empenhado (reservado para desembolso), e as doses não foram importadas para o Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro foi alertado sobre as supostas irregularidades. Durante sessão da CPI na noite dessa sexta-feira (25/6), o nome do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) foi citado em depoimento do deputado Luís Miranda (DEM-DF).

Segundo Miranda, Barros foi mencionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como o “dono do rolo” no processo de negociação da Covaxin.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações