PSol pressiona PGR sobre denúncias de Moro contra Bolsonaro

O ex-ministro da Justiça anunciou que deixaria o cargo em função do desejo de interferência política do presidente da República na PF

A bancada do PSol na Câmara dos Deputados protocolou nesta sexta-feira (24/04) um ofício na Procuradoria-Geral da República (PGR) com um pedido de ações urgentes contra as interferências do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), na Polícia Federal.

Na ação, o PSol pede que o Ministério Público Federal (MPF) determine, imediatamente, busca e apreensão de todas as provas e indícios nas investigações em curso que envolvam o presidente e seus aliados.

“Com o objetivo de interromper o processo de destruição de provas, conforme determina o art. 282 do Código de Processo Penal. Trata-se de apurar grave ofensa ao processo democrático e de clara intenção de impedir o trabalho de investigação”, diz o pedido.

O ex-ministro da Justiça Sergio Moro acusou o chefe do Executivo de querer trocar o comando da PF por nomeações meramente políticas para ter acesso a investigações sigilosas.

“O ex-ministro informou ainda que o presidente ‘queria uma pessoa que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações de inteligência’. Ou seja, fica clara a intenção do presidente da República de interferir e embaraçar as investigações contra ele e seus aliados”, informou a ação.

“Não restam dúvidas de que o presidente da República não possui qualquer apreço pela democracia e sequer reconhece o papel de instituições democráticas. A Constituição Federal de 1988 consagrou a República Federativa do Brasil como Estado Democrático de Direito”, completou.