Para presidente do PT, liminar revogada é “perseguição” a Lula

Gleisi Hoffmann, por meio de sua conta no Twitter, criticou a mobilização que revogou a liminar de Marco Aurélio Mello

atualizado 20/12/2018 10:49

Igo Estrela/Metrópoles

Ao comentar a movimentação que se formou após a liminar concedida na quarta-feira (19/12) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, que liberava condenados em segunda instância e beneficiava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, classificou como “script de perseguição” a revogação da decisão.

Em postagem no Twitter, a senadora criticou diversas instituições, entre elas a imprensa, o Ministério Público, o Judiciário, o alto comando do Exército e o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pela mobilização criada.

“Ontem repetiu-se o script de perseguição do sistema contra Lula”, apontou Gleisi.

No início da tarde, o ministro Marco Aurélio Mello concedeu uma liminar, em resposta a uma provocação do PCdoB, determinando a libertação de todos os presos condenados em segunda instância que tivessem recursos pendentes de decisão em tribunais superiores. Imediatamente após a medida, os advogados de Lula entraram com um pedido de alvará de soltura em favor do ex-presidente. Lula está preso na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril.

À noite, após analisar um pedido redigido pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o presidente do STF, Dias Tofolli, que é coordenador do plantão do Judiciário, cassou a liminar impedindo a libertação de Lula. A atitude de Tofolli recebeu elogios de Bolsonaro por meio das redes sociais.

Últimas notícias