Pesquisa BTG/FSB: Bolsonaro (31%) e Haddad (24%) seguem estáveis

Percentuais de líderes nos levantamentos sugerem teto de votos dos candidatos. Alckmin ultrapassa Ciro dentro da margem de erro

Hugo Barreto/Metrópoles

atualizado 01/10/2018 14:57

Consulta semanal do banco BTG Pactual encomendada ao Instituto FSB sobre a corrida presidencial mostra Jair Bolsonaro (PSL) estabilizado com 31% das intenções de voto, às vésperas do pleito em primeiro turno. Em seguida, aparece Fernando Haddad (PT), com 24%, no mesmo patamar da última pesquisa.

Tecnicamente empatados, Geraldo Alckmin (PSDB), com 11%, ultrapassou Ciro Gomes (PDT), que tem 9% nesta semana. No levantamento anterior, os percentuais eram 8% e 10%, respectivamente.

João Amoêdo, do Novo, tem 5%; Marina Silva, da Rede, 4%; Henrique Meirelles (MDB) e Alvaro Dias (Podemos) têm 2%, cada um. Os demais candidatos não alcançaram 1% das intenções de voto na consulta. Votos em branco e nulos somam 2%. Não souberam responder, 4%. Voto em nenhum dos candidatos foi apontado por 6% dos eleitores.

Votos válidos
Considerando apenas os votos válidos, os percentuais são os seguintes:
Jair Bolsonaro – 35%
Fernando Haddad – 27%
Geraldo Alckmin – 12%
Ciro Gomes – 10%
João Amoêdo – 5%
Marina Silva – 4%
Alvaro Dias – 3%
Henrique Meirelles – 2%
Cabo Daciolo – 1%
Outros – 1%

Segundo turno
Em cenários de segundo turno, Ciro Gomes (45) está à frente de Bolsonaro (41%), que, por sua vez, aparece com um ponto percentual de vantagem (43%) quando a disputa é contra Fernando Haddad (42%). Essa pontuação de diferença também ocorre no panorama entre Geraldo Alckmin (42%) e Bolsonaro (41%). Em possível corrida com Marina Silva, o militar da reserva atinge 44% e a candidata da Rete, 39%.

Rejeição
Marina Silva é a candidata mais rejeitada, com 56%. Em seguida, aparecem nesse quesito Alckmin (51%); Haddad (50%); Eymael e Bolsonaro (49%); Meirelles (46%); Ciro (44%); Daciolo e Dias (41%); Guilherme Boulos (40%), do PSol; João Goulart Filho (38%), do PPL; Vera Lúcia (37%), do PSTU; e Amoêdo (33%).

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), conforme prevê a legislação, sob o número BR-05879/2018.

Últimas notícias