No Grand Slam de jiu-jitsu, Bolsonaro volta a criticar o Mais Médicos

Presidente eleito cobrou prefeitos que preferem profissionais cubanos. Ele participou de entrega da premiação realizada na Arena Carioca

atualizado 18/11/2018 13:24

Divulgação

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, acompanhou no fim da manhã deste domingo (18/11) a etapa carioca do Grand Slam de jiu-jitsu. Ele participou da premiação e, durante entrevista à imprensa, voltou a criticar o programa Mais Médicos, ao ser questionado sobre o assunto.

Bolsonaro cobrou gestores municipais que abriram mão de profissionais brasileiros para contratar médicos de formação originada em Cuba e afirmou que o Brasil não pode ser “conivente” com o que considera ser trabalho “análogo à escravidão”. “É uma questão humanitária”, disse.

O presidente eleito destacou que o atual governo já está tomando providências para assegurar o atendimento médico à população, após Cuba abandonar o programa em andamento no Brasil, e disse que ainda estuda quais medidas podem ser adotadas. “Eu não sou presidente. No dia 1º [de janeiro de 2019] eu vou apresentar… Se bem que o governo Temer já está trabalhando nesse sentido. É justo confiscar 70 ou 80% do salário de uma pessoa? Não é justo”, afirmou.

Jiu-jitsu
Convidado por organizadores  do Abu Dhabi Grand Slam, o presidente eleito chegou à Arena Carioca por volta das 11h20 deste domingo para acompanhar a terceira etapa do circuito mundial.

Divulgação

Ele participou da entrega da premiação da faixa adulto e, posteriormente, comentou em uma rede social a importância da prática esportiva.

Mais lidas
Últimas notícias