Mudou tudo: ao menos 125 deputados trocaram de partido na janela

Partido Liberal (PL), do presidente Jair Bolsonaro, virou a maior bancada da Câmara, com 77 deputados, seguido pelo PT, com 56

atualizado 02/04/2022 18:20

Plenário da Câmara dos Deputados Rafaela Felicciano/Metrópoles

Ao menos 125 deputados federais (24,3% dos 513) mudaram de legenda durante a janela partidária até as 19h30 dessa sexta-feira (1°/4). O prazo se encerrou às 23h59. O Partido Liberal (PL), que abrigou o presidente Jair Bolsonaro, foi a sigla que mais cresceu, enquanto o recém-criado União Brasil, originado da fusão entre DEM e PSL, o que mais perdeu parlamentares.

Até o início da noite de sexta, o número era 7,7% maior do que o registrado na janela de 2018, quando 116 deputados mudaram de partido.

O levantamento do Metrópoles teve como base os registros oficiais da Câmara dos Deputados, manifestação de congressistas e contato com gabinetes. O período, que começou no último dia 3 de março e se encerrou nessa sexta, possibilitou que parlamentares federais, estaduais e distritais trocassem de siglas sem o risco de perder os mandatos.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

Os números, no entanto, podem ser alterados com a atualização do sistema da Câmara, que depende da comunicação do parlamentar por meio de ofício. Resultados finais devem ser registrados neste sábado (2/4).

O deputado Júlio Delgado (MG) anunciou, na tribuna da Câmara, saída do PSB e ingresso no PV. “É muito doloroso. É ruim que eu esteja fazendo isso, mas é a salvação de quem sempre honrou, representou e segurou as bandeiras que sempre tivemos e continuaremos a ter nesta Casa. Eu espero futuramente reencontrar nas causas o PSB, partido com o qual eu sempre me identifiquei”, disse, emocionado.

Apesar de a janela não abarcar senadores, que podem trocar de partido a qualquer momento – por serem escolhidos em eleições majoritárias –, ao menos quatro deles aproveitaram o período e mudaram de legenda: Reguffe (DF) trocou o Podemos pelo União Brasil, Leila Barros (DF) deixou o Cidadania e se filiou ao PDT, Daniella Ribeiro (PB) saiu do PP e foi para o PSD e Roberto Rocha (MA) migrou do PSDB para o PTB.

Bancadas

Ao menos 44 deputados se filiaram ao PL, de Valdemar Costa Neto, na esteira de Bolsonaro. Desta forma, a bancada se tornou a maior da Câmara, com 77 parlamentares. No início da legislatura, em 2019, tinha 33.

O vice-líder do PL, deputado Lincoln Portela (MG), pondera que o crescimento substancial do partido sinaliza a força que Bolsonaro terá na Casa e nas ruas. “É sinal de que Bolsonaro tem apoio em vários estados e que terá muita gente levando o nome dele. [Esse número de deputados] é um peso a mais ao projeto dele”, assinalou.

A bancada do PT, com 56 deputados, ocupa a segunda posição, seguida pelo PP, de Arthur Lira (AL) e Ciro Nogueira (PI), com 50.

Já o União Brasil, partido que nasceu da fusão entre PSL e DEM, perdeu ao menos 42 cadeiras, mas ainda possui a quarta maior bancada, com 47 parlamentares. Esse esvaziamento era aguardado, visto que muitos deputados se elegeram pelo PSL na onda bolsonarista e aguardavam o período para migrar de partido para acompanhar o presidente sem perder o mandato. A maior parte deles entrou para as hostes do PL.

“Saíram os que não eram nossos, eram bolsonaristas. Já era esperada [a saída]. Mas vamos estar entre as quatro maiores bancadas da Casa, e esse era o nosso objetivo”, avalia o deputado Elmar Nascimento (BA), líder do União Brasil na Câmara, acrescentando que o partido manterá força.

A quinta maior bancada, o Republicanos, com 45, juntamente com PP e PL, formam o núcleo duro do governo Bolsonaro.

Regras

A janela partidária ocorre a cada ano eleitoral pelo prazo de 30 dias, a seis meses das eleições.

A regra foi criada em 2015, como uma saída para o troca-troca de legenda, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidir que o mandato pertence ao partido, e não ao candidato eleito. A decisão estabeleceu a fidelidade partidária para os cargos obtidos nas eleições proporcionais – ou seja, deputados estaduais, federais e vereadores.

Governadores, prefeitos e senadores não entraram no escopo da janela, por serem escolhidos em eleição majoritária e considerados “donos” de seus mandatos.

Em 2018, o TSE modificou a norma e estabeleceu que só pode usufruir da janela quem estiver no término do mandato vigente. Ou seja, vereadores só podem migrar de partido nos anos de eleições municipais, e deputados federais, estaduais e distritais, nos de eleições gerais.

Fora da janela partidária, deputados só podem mudar de legenda sem perder o mandato em situações específicas, como fim ou fusão da sigla; desvio do programa partidário ou grave discriminação pessoal.

Mesmo antes da janela partidária, 36 deputados já tinham deixado as legendas pelas quais tinham sido eleitos em 2018.

Mais lidas
Últimas notícias