Mourão defende Mandetta, mas diz que ministro “cruzou a linha”

Vice-presidente diz que decisão sobre permanência de Mandetta cabe a Jair Bolsonaro e que a situação deve ser discutida "intramuros"

atualizado 14/04/2020 11:18

Rafaela Felicciano/Metrópoles

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), disse em entrevista ao jornal Estado de São Paulo nesta terça-feira (14/4) que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, está fazendo um bom trabalho, mas ponderou que o chefe da pasta “disse coisas que não precisava”.

“Em relação à entrevista do meu amigo Mandetta, vou usar a linguagem do polo [esporte]: ‘Ele cruzou a linha da bola’. Não precisava ter dito tais coisas”, afirmou o vice.

Questionado se Mandetta seria garantido no cargo, Mourão destacou que é uma decisão que cabe exclusivamente ao presidente e que as demissões ocorrem quando há perda de confiança.

“[Tem] muita desinformação, muito tititi. Eu julgo que o presidente não deve trocar o ministro. Eu julgo que ele, pela situação vivida, pelo momento que o Brasil está vivendo, chama o Mandetta e discute intramuros e não via imprensa. A gente brinca que tem um anão embaixo da mesa do presidente que fica transmitindo as notícias”, disse Mourão, em referência a vazamento de notícias de reuniões privadas.

Mourão destacou que o enfrentamento ao novo coronavírus não é atribuição apenas no Ministério da Saúde, mas de um esforço conjunto sob a coordenação do ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto.

“Também é atribuição da ministra Damares, do ministério da Cidadania, das Relações Exteriores, é multissetorial”.

Últimas notícias