“Ministério da doença em ação”, diz Renan sobre “gabinete paralelo”

Relator da CPI da Covid afirmou que a existência do grupo de assessoramento paralelo de Bolsonaro é "inegável". Metrópoles revelou vídeos

atualizado 04/06/2021 16:48

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) usou as redes sociais nesta sexta-feira (4/6) para comentar o vídeo revelado pelo Metrópoles que mostra a existência do “ministério paralelo” no governo federal responsável por orientar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre medidas de enfrentamento à Covid-19. Renan é relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, que investiga ações e omissões do governo federal no combate à pandemia de covid-19.

Segundo o senador, diante da gravação, a existência do “gabinete paralelo” é “inegável”. “Na reunião de 8/9/20 ele renega a vacina. No dia 12/9 a Pfizer oferta vacinas diretamente a Bolsonaro, que despreza o imunizante até março de 21. Apenas no dia 18/8 ignorou-se 130 milhões de doses. Eis o ministério da doença em ação”, publicou o senador em seu Twitter.

A gravação tem provocado reações por parte de integrantes do comando do colegiado. Mais cedo, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que o conteúdo corrobora algo já levantado pela comissão e que o grupo é “responsável pelas vidas de muitas pessoas que foram perdidas para a Covid-19”. “O gabinete paralelo ditava a tua saúde, a minha saúde; quem ia morrer e quem ia viver. Isso é o saldo que nós temos hoje”, disse o amazonense.

“Neste momento, muitos brasileiros estão estarrecidos quando olham um vídeo desses. Nós, que estamos na CPI, já sabíamos que existia um gabinete paralelo. [O vídeo é] Uma prova maior ainda que ele existe e, o pior de tudo, que no dia 8 de setembro tanto a Pfizer quanto o Butantan já tinham oferecido vacinas para o Brasil, e o Brasil não respondeu. Até dezembro, foram mais de 53 e-mails mandados ao Ministério da Saúde pela Pfizer, e não responderam”, acrescentou Aziz.

O vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), por sua vez, defendeu a convocação do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) e do médico Paolo Zanotto a prestarem esclarecimentos ao colegiado. A dupla é suspeita de integrar a equipe que assessorava paralelamente Bolsonaro sobre a crise sanitária.

Veja o vídeo:

0

Últimas notícias