MDB diz que expulsará filiado que aceitar ministério de Bolsonaro

Filiados do partido que são aliados do presidente estão incomodados com preferência por Ciro Nogueira e querem comandar ministérios

atualizado 26/07/2021 19:23

Ipe amareloIgo Estrela/Metrópoles

O MDB usou as redes sociais para enviar um recado aos filiados que se interessam por ocupar um ministério no governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo o partido, quem aceitar será convidado a deixar a sigla.

A manifestação oficial da legenda ocorre diante da pressão do partido para angariar um comando ministerial.

Conforme noticiado pelo Metrópoles, o Palácio do Planalto está incomodado com os pedidos feitos por aliados emedebistas no Congresso Nacional, após o senador Ciro Nogueira (PP-PI), um dos principais caciques do Centrão, ter sido convidado a compor o primeiro escalão do governo.

Pessoas próximas ao presidente reclamam do apetite do MDB em pedidos para garantir a sustentação nas pautas de interesse do Executivo que tramitam no Congresso.

Dois nomes da sigla surgem como favoritos para ocupar um ministério, caso Bolsonaro ceda às pressões: o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (PE), e no Congresso, senador Eduardo Gomes (TO).

O partido não desmente que haja pressão interna por uma vaga no governo federal. Informa, porém, que convidará o novo ministro a se desfiliar.

Nova reforma

Recentemente, Bolsonaro anunciou que promoveria uma nova dança das cadeiras em seus ministérios. Com as mudanças, o senador Ciro Nogueira (PI), que preside o Progressistas, ocuparia a Secretaria-Geral da Presidência.

Antes, havia a previsão de que Nogueira fosse alocado na Casa Civil. A mudança de ideia do presidente foi antecipada pelo Metrópoles.

Segundo auxiliares presidenciais, o argumento seria de que o trabalho mais intenso da Casa Civil, que coordena os demais ministérios do governo, poderia atrapalhar a articulação política de Ciro junto ao Congresso.

A avaliação é que, na Secretaria-Geral, o senador continuaria tendo assento no Palácio do Planalto, mas contaria com mais tempo para focar na articulação política.

Últimas notícias