Doria e Virgílio: “Prolongar prévias do PSDB é desrespeito a filiados”

Responsabilizado pelos adversários, governador gaúcho Eduardo Leite garante que só aceita esticar votação até a próxima terça-feira

atualizado 22/11/2021 0:20

Reprodução

Após o adiamento da votação das prévias do PSDB, instrumento para definir o candidato do partido à Presidência da República em 2022, causado por uma pane no app de votação, o governador de São Paulo, João Doria, e o ex-prefeito de Manaus (AM) Arthur Virgíilio, que estão na disputa contra o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, vieram a público para protestar contra o prolongamento do processo.

Lado a lado, ambos leram uma nota, na noite deste domingo (21/11), em que reafirmam a “urgência de retomar o processo de escolha do candidato em respeito aos filiados tucanos e o seu direito de votar”.

“É preciso ter uma única palavra e uma única atitude, que é fazer as prévias que começaram hoje terminarem no próximo domingo. Já teríamos um segundo turno, a previsão para o dia 28 estava estabelecida. No próximo domingo, aqueles que não tiveram oportunidade de votar, que foram muitos, poderão votar”, ressaltou Doria.

Não faltaram críticas a Eduardo Leite, diretas e indiretas. De acordo com Virgílio, houve uma “conversa amável” com o gaúcho, mas sem chegar a um consenso. “Ele queria colocar as prévias para fevereiro, ele pediu para que deixassem as pessoas votarem a semana inteira, sujeitando a votação a ataque de hackers”, reclamou o ex-prefeito.

“Não há razão para adiar as prévias, a não ser que queira melar as prévias do PSDB”, enfatizou Doria.

O aplicativo de votação, desenvolvido pela Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faurgs), também foi alvo de ataques. Segundo a nota, “foi alertado durante todo o processo sobre a fragilidade do aplicativo e os problemas de instabilidade e insegurança que o modelo proposto poderia trazer para as primárias”.

“Nossa proposta é que o aplicativo esteja aberto das 6 da manhã às 6 da tarde no próximo domingo. Doze horas são mais do que suficientes para que quem não conseguiu votar consiga, levando em consideração que a empresa já nos garantiu a resolução dos problemas”, disse o governador paulista.

Leia a nota na íntegra:

“Desde o início do processo de prévias, as campanhas dos candidatos do PSDB à presidência da República, João Doria e Arthur Virgilio, defenderam a ampla participação de todos os filiados.

Defenderam também a utilização de urnas eletrônicas, que regem o sistema eleitoral brasileiro de forma segura, simples e transparente.

Foi alertado durante todo o processo sobre a fragilidade do aplicativo e os problemas de instabilidade e insegurança que o modelo proposto poderia trazer para as primárias.

Mesmo diante dos alertas de ambas as campanhas e da Kryptus, auditoria contratada pelo próprio partido para garantir a lisura da eleição, a direção do PSDB optou por manter o contrato com a FAUGRS (Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sediada em Pelotas) e o uso da plataforma.

Diante das inúmeras falhas do próprio aplicativo, ocorridas durante o todo o processo de votação, neste domingo (21), se faz necessário o ajuste imediato do aplicativo.

É urgente retomar o processo de escolha do candidato em respeito aos filiados tucanos e o seu direito de votar.

Tanto Doria quanto Arthur Virgílio defendem a data do dia 28 de novembro, próximo domingo, para que o processo de prévias se encerre de forma rápida, eficiente e justa. Lembrando que o prazo já era previsto em resolução pela Comissão das Prévias como um possível segundo turno.

Prolongar ainda mais o processo de prévias seria um desrespeito aos filiados tucanos e ao processo democrático.

João Doria e Arthur Virgilio”.

Versão de Leite

Minutos depois do pronunciamento de Doria e Virgílio, o governador Eduardo Leite também falou com os jornalistas, dando versão diferente sobre o que teria sugerido aos adversários. Ele disse aceitar o prolongamento da votação, mas só até a próxima terça-feira (23/11).

“Seria um contrassenso aumentar o tempo em uma semana. Outro contrassenso é adiar a votação quando, antes da eleição, não se queria adiar a eleição. A nossa campanha aceita mais 48 horas de votação, desde que garantida a capacidade técnica. Mais que isso, a votação perderia sua integridade. Queremos ir pro voto, vamos ao voto”, afirmou.

Eduardo Leite diz querer retomar processo o mais rápido possível: “Vamos para o voto”

Leite disse que ligou para Doria na sexta-feira pedindo para adiar as prévias, mas o paulista, segundo ele, não teria aceitado a proposta por considerar que ao mudar aos regras fragiliza-se a eleição.

“Uma semana é outro processo de campanha. Queremos a conclusão desse processo. O partido vai ter que tomar as decisões diante das questões técnicas. Eu havia solicitado que o prazo fosse dilatado, mas não houve acordo com o outro lado, como é legitimo, mas até domingo é uma alteração muito mais violenta”, salientou.

“Se não houver entendimento entre todos, ficará insanável, sob pena de se abrir um novo processo. Estamos sob o risco de ferir de morte a legitimidade do processo”, completou o gaúcho.

Leite também soltou nota. Confira:

“Considerando que, pelo edital das prévias, a eleição acaba neste domingo à meia-noite;
 
Considerando que a comissão de coordenação das prévias já foi dissolvida;
 
Considerando que o aplicativo de votação não funcionou adequadamente, impossibilitando a votação legítima da maioria dos filiados;
 
Considerando que hoje ainda não há manifestação técnica das empresas garantindo a possibilidade de votação de todos os filiados pelo aplicativo;
 
A campanha de Eduardo Leite manifesta-se em nome do bom senso, da celeridade do processo e da manutenção do regramento eleitoral pela conclusão do processo em, no máximo, 48 horas, exigindo um aditamento ao edital com o novo prazo.
 
Até porque seria um contrassenso termos feito tudo para garantir a segurança da votação, como reduzir o prazo para apenas domingo e, agora, querer alongar o tempo em uma semana, aumentando os riscos antes minimizados.
 
Outro contrassenso é agora adiar a votação quando antes esse mesmo procedimento foi duramente criticado e rechaçado pelas outras candidaturas. Se antes não se podia adiar, quando teríamos permitido mais testes e segurança técnica do app, como agora, com tantos problemas detectados, vamos adiar por uma semana?
 
A campanha de Eduardo Leite aceita mais 48 horas de votação, desde que garantida a capacidade técnica para votação de todos os cadastrados que assim desejarem.
 
Com mais do que isso as prévias perderiam sua integralidade, seja pelo prazo, seja pelo número de votantes, seja pela incapacidade técnica do aplicativo, seja pela agressão ao ato normativo eleitoral ou seja pelas denúncias de irregularidades de todo o tipo, que se avolumaram no dia de hoje e que poderiam ensejar judicializações e sindicâncias indesejadas.
 
Vamos ao voto e que na terça-feira o PSDB apresente seu candidato para mudar o Brasil

Eduardo Leite os ex-presidentes nacionais do PSDB Tasso Jereissati, José Aníbal, Pimenta da Veiga e Teotônio Vilela Filho”.

Ainda sem data

O PSDB anunciou na noite deste domingo que encerrou a votação em urna eletrônica e adiou o processo por meio do aplicativo após a plataforma apresentar falhas durante todo o dia.

O partido informou também que uma nova data será definida para a reabertura do processo de votação para os filiados que não puderam registrar o voto neste domingo.

“Os votos recebidos tanto pelo aplicativo quanto por meio das urnas eletrônicas ao longo deste domingo serão totalizados ao final do processo de votação. A integridade e a segurança do sistema estão totalmente preservadas”, garantiu o partido por meio de nota publicada em conta oficial no Twitter.

Mais lidas
Últimas notícias