metropoles.com

CPI: dono da Precisa nega contato com Ricardo Barros por Covaxin

O empresário Francisco Maximiano presou depoimento à CPI da Covid nesta quinta, mas usou habeas corpus para ficar em silêncio

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Depoente, Francisco Maximiano, sócio-proprietário da Precisa Medicamentos na CPI da Pandemia no Senado Federal
1 de 1 Depoente, Francisco Maximiano, sócio-proprietário da Precisa Medicamentos na CPI da Pandemia no Senado Federal - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Em uma das poucas perguntas respondidas aos senadores da CPI da Covid nesta quinta-feira (19/8), o empresário Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, afirmou que não houve nenhum contato com o deputado Ricardo Barros (PP-PR) pela compra da vacina indiana contra a Covid-19 Covaxin.

Barros, líder do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara, é autor da emenda que facilitou a importação do imunizante indiano.

Aos parlamentares, Maximiano afirmou que a emenda apresentada era do interesse da Precisa Medicamento, que negociou a vacina com o governo, mas negou qualquer contato com o deputado.

Veja como foi: 

“Respondi que sim [que era de interesse], porque ela [a emenda de Barros] tornava a Covaxin elegível também, mas não houve nenhum contato com o deputado Ricardo arros ou tampouco outro para fazer a inclusão”, afirmou.

Desde o início do depoimento, Maximiano avisou aos senadores da CPI da Covid-19 que “exerceria o direito ao silêncio”, baseado em um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF).

A Precisa, representada por Maximiano, foi a responsável no Brasil pelas negociações entre o laboratório indiano Bharat Biotech e o Ministério da Saúde em relação à vacina Covaxin. Ele é tido pelos integrantes da comissão como “personagem central” das denúncias envolvendo a compra do imunizante.

O depoimento de Maximiano à comissão foi adiado diversas vezes. O empresário também acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) tentando evitar depor à CPI. Não conseguiu, mas obteve um habeas corpus com direito de ficar em silêncio durante o depoimento.

0

 

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações