Comissão adia votação de anistia a policiais do massacre do Carandiru

Adiamento ocorre após pedido de vista requisitado pelo deputado Marcel van Hattem (Novo-RS). Ainda não há previsão de retomada da análise

atualizado 12/07/2022 16:25

Divulgação

A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados adiou, nesta terça-feira (12/7), a votação do projeto de lei que propõe conceder anistia aos policiais envolvidos no massacre do Carandiru, em outubro de 1992.

A matéria foi apresentada pelo Capitão Augusto (PL), presidente da Bancada da Bala na Casa, e tem o deputado Sargento Fahur (PSD-PR) como relator no colegiado.

O adiamento decorre de pedido de vista requisitado pelo deputado Marcel van Hattem (Novo-RS). Não há previsão de quando a proposta voltará à pauta.

No ano passado, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reestabeleceu as condenações de 73 policiais que atuaram na ação, responsável pela morte de 111 detentos. As penas, que variam de 125 a 600 anos de cadeia, foram anuladas em 2018 pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP).

Na justificativa, o deputado alega “perseguição política ideológica” aos agentes. “É de conhecimento público a triste realidade que ocorre nas rebeliões nos estabelecimentos prisionais, que são comandadas por organizações criminosas, onde eles praticam todos os tipos de crimes, inclusive degola de membros de facções opostas”, diz.

“Nesse cenário tenebroso, os agentes de segurança pública são feitos reféns, são mortos e feridos, e, muitas vezes, têm que agir de maneira proporcional para conter a violência dos rebelados e, assim, cumprir sua missão de manter a ordem pública”, continua.

O presidente da bancada finaliza: “Há a necessidade de evitarmos julgamentos políticos, concedendo a anistia aos agentes de segurança pública que atuaram para a contenção da rebelião na Casa de Detenção de São Paulo, ocorrida em 02 de outubro de 1992, pois estão sofrendo perseguição política ideológica, uma vez que, mesmo com a anulação do julgamento deferida pelo Tribunal de Justiça do Estado, estão sendo condenados sem a observância mínimas das garantias constitucionais”.

Os policiais foram condenados em cinco júris diferentes, entre 2013 e 2014. Em todos os julgamentos do Tribunal do Júri, o resultado foi pela condenação. E, depois, retomada pelo STJ. O caso ainda tramita no tribunal.

Caso seja aprovada, a proposta segue para votação pelo Plenário da Câmara.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias