metropoles.com

Bolsonaro volta a falar sobre assassinato de petista: “Briga estúpida”

O presidente Jair Bolsonaro (PL) embarcou na manhã deste sábado para cumprir agendas religiosas nos estados do Rio Grande do Norte e Natal

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Facebook
Bolsonaro discursa em igreja do Rio Grande do Norte
1 de 1 Bolsonaro discursa em igreja do Rio Grande do Norte - Foto: Reprodução/Facebook

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a falar, neste sábado (16/7), sobre o assassinato de Marcelo Arruda, dizendo que a morte foi motivada por uma “briga estúpida e sem razão”. O chefe do Executivo está em agenda religiosa no Nordeste.

“Sempre querem culpar o chefe de um lado. ‘Olha, os discursos dele levaram à morte daquela pessoa em Foz do Iguaçu’. Ora, meu Deus do céu! O meu discurso causou a morte da pessoa? Uma briga estúpida, sem razão?”, questionou Bolsonaro durante um culto evangélico, no município de Alecrim, em Natal.

Veja fotos das agendas de Bolsonaro neste sábado:

0

No começo da semana, Bolsonaro mencionou que ligou para os irmãos de Marcelo Arruda, para convidá-los para vira à Brasília. “Eu conversei com dois irmãos. Os dois irmãos são eleitores nossos, simpatizantes, e o outro irmão era de esquerda. Tudo bem”, disse Bolsonaro, em vídeo divulgado por um canal que o apoia.

“Por coincidência, resgatamos uma foto agora, de 2017, eu com o irmão dele que morreu. Que, inclusive, ele pediu pra mim. Eu não lembrava, né? [Pediu] Que eu votasse algo com eles e eu votei. Votei a favor desse petista”, disse Bolsonaro, dando a entender que seria uma pauta da categoria de Arruda, que era guarda municipal em Foz do Iguaçu (PR), mas sem especificar.

Entenda o caso

O guarda municipal Marcelo Arruda, candidato a vice-prefeito nas últimas eleições, foi assassinado a tiros durante sua festa de aniversário de 50 anos, ocorrida na noite de sábado (9/7), em Foz do Iguaçu (PR). A festa tinha como tema o PT e fazia várias referências ao ex-presidente e pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva.

Inicialmente, a Polícia Civil informou que o atirador, o policial penal Jorge José da Rocha Guaranho, tinha morrido após Marcelo revidar. Contudo, às 16h40, em coletiva de imprensa, a delegada Iane Cardoso informou que a polícia errou: o agressor estava vivo e foi levado ao hospital. Até a última atualização desta reportagem, ele estava internado.

Segundo relatos, por volta das 23h, Jorge Guaranho, que se declara apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), invadiu a festa e atirou em Marcelo, que revidou. A confraternização era promovida na Associação Recreativa Esportiva Segurança Física Itaipu (Aresfi). A festa tinha poucos convidados — cerca de 40 pessoas.

Relatos ainda apontam que o policial penal entrou na festa gritando o nome de Bolsonaro e “mito”. Houve uma rápida discussão, e o homem chegou a sacar a arma e ameaçou a todos. Logo depois, ele saiu, dizendo que voltaria para matar todo mundo”. Minutos depois, o agente penitenciário chegou atirando no guarda municipal.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações