Bolsonaro sobre cobrança para reagir e “bater em Fux”: “Deixa acalmar”

Sem citar nomes, o presidente disse que foi cobrado por colegas a fazer algo a respeito das declarações do presidente do STF

atualizado 09/09/2021 21:24

Presidente Jair Bolsonaro fala com à imprensa após o encontro com presidente do STF Luiz Fux 1Igo Estrela/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nesta quinta-feira (9/9), durante sua live semanal, que foi cobrado a manter os ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e rebater as declarações do ministro Luiz Fux, presidente da Corte. No entanto, ele pediu “calma” aos apoiadores.

Nessa quarta-feira (8/9), Fux reagiu às falas feitas por Bolsonaro durante os atos de 7 de setembro. O chefe do Poder Judiciário declarou que “ninguém fechará o Supremo”.

“Queriam que eu respondesse o presidente do Supremo, Fux, que fez uma nota dura. Também usou da palavra o Arthur Lira [PP-AL], [presidente] da Câmara, o Augusto Aras, nosso procurador-geral da República. Alguns do meu lado aqui vieram até com o discurso pronto: ‘Tem que reagir, tem que bater’. Calma, amanhã a gente fala, deixa acalmar para amanhã”, disse o presidente.

Bolsonaro também minimizou as críticas feitas por apoiadores à carta que divulgou mais cedo, na qual adotou um tom mais pacificador e disse nunca ter tido intenção de “agredir” qualquer um dos Poderes. Na sequência, porém, pediu “calma” aos seguidores, indicando que os ataques ao STF podem voltar em breve.

Mais lidas
Últimas notícias