Bolsonaro nega que pretende indicar Augusto Aras para vaga no STF

Segundo o presidente, o atual PGR poderia ocupar uma eventual terceira vaga, o que não está previsto para seu mandato presidencial

Marcos Brandão/Agência Senado

atualizado 29/05/2020 22:51

Após repercussão negativa a respeito de uma possível indicação do procurador-geral da República, Augusto Aras, ao Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), disse nesta sexta-feira (29/05) que não cogita o nome de Aras para uma das duas vagas previstas na Corte até o término do atual mandato presidencial, em 2022. O PGR, desta forma, só seria indicado em caso de uma eventual terceira vaga.

Em postagem nas redes sociais, o presidente disse que já havia dito isso em live realizada no Facebook, quando também afirmou que torce para que “ninguém desapareça” no STF. “Todos sabem que durante o mandato para o qual fui eleito, que vai até 2022, estão previstas apenas duas vagas para o Supremo Tribunal Federal”, justificou o presidente.

Veja:

Embora a declaração desta sexta não entre em confronto com o que foi dito por ele nessa quinta-feira (28/05), ela reforça a informação sobre as duas vagas iniciais na corte e complementa o que foi anunciado.

Na live, o presidente disse que Aras não está cotado para as duas vagas inicialmente previstas, mas que o procurador é “fortemente” considerado para uma terceira vaga, caso ela seja aberta.

A “quase promessa” do presidente ocorreu em transmissão ao vivo pelas redes sociais. “Tem uma vaga prevista pra novembro e outra pro ano que vem. O Aras, nessas duas vagas… não tá previsto o nome dele. Costumo dizer que tenho três nomes, que não vou revelar, que eu namoro pra indicar pro STF. Um vai ser evangélico, tenho um compromisso com a bancada evangélica. Uns dizem que tá confundindo com religião. Tem nada a ver, tem nada a ver. Ele tem que ter conhecimento e realizar o seu papel ali. […] O Augusto Aras, se aparecer uma terceira vaga, o Augusto Aras entra fortemente na terceira vaga”, declarou o presidente.

0

Últimas notícias