Bolsonaro e Macri: compromisso com Mercosul e posição contra Maduro

O argentino é o primeiro chefe estrangeiro a visitar o governante brasileiro. Ambos concordam em não reconhecer novo mandato na Venezuela

atualizado 16/01/2019 13:50

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Em pronunciamento conjunto do presidente Jair Bolsonaro e do argentino Maurício Macri, nesta quarta-feira (16/1), no Palácio do Planalto, os dois governantes reafirmaram a importância de se manter os acordos firmados pelo Mercosul, inclusive com a União Europeia, para garantir a saúde do comércio entre os dois países e do bloco com as demais nações. Os dois também reforçaram a posição contrária ao presidente venezuelano Nicolás Maduro, a quem Macri chamou de “ditador”.

O presidente brasileiro disse que os dois países irão fortalecer a agenda de trabalho do Mercosul. “Falamos com franqueza, sem qualquer viés ideológico Não há tabus na relação bilateral entre Brasil e Argentina e o que nos move é busca de resultados concretos. Macri nos visita na condição de chefe do Mercosul. Concordamos em aperfeiçoar o bloco e propor nova agenda de trabalho. O Mercosul precisa valorizar o propósito de construir um bloco enxuto e eficaz”, disse o brasileiro.

Bolsonaro disse que Brasil e Argentina pretendem “revigorar o intercâmbio entre os bens de consumo”. O brasileiro fez um discurso no qual reforçou que as duas nações concordam em assuntos estratégicos.  “As conversas foram extremamente produtivas, tratamos do combate ao crime organizado, defesa, ciência e tecnologia, dinamização do comércio e reformas econômicas que os países podem realizar”, reforçou.

A preocupação com o tratamento a ser dado ao Mercosul, por parte dos argentinos, existe desde a campanha, quando declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, apontavam para a não valorização dos acordos do bloco.

Macri, após a conversa com Bolsonaro, elogiou o “clima” encontrado no Brasil em relação a essa questão. “O clima foi de alegria. Teremos muitas coisas na integração das economias. Somos o segundo destino do Brasil de produtos manufaturados comerciais. Vamos cooperar com tecnologia e lutar contra a corrupção”, disse o argentino.

O argentino disse que Brasil e Argentina precisam reforçar os laços sempre focados na “criação de empregos e oportunidades”.

Maduro
Os dois presidentes reafirmaram a postura de discordar com o governo de Nicolás Maduro, na Venezuela. Macri foi mais enfático. “Compartilhamos a preocupação com os venezuelanos, com a ditadura de Maduro. Maduro é um ditador e luta para continuar no poder com eleições fictícias, prende opositores e não permite o exercício da democracia”, disse Macri.

Da mesma forma que o Brasil, o governo argentino reconhece a autoridade do presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Juan Guaidó, oposição a Maduro que se autodeclarou chefe do país. “Reconhecemos a Assembleia Nacional como a única instituição legítima venezuelana”, disse o argentino.

Bolsonaro reforçou a mesma posição: “Nesse encontro estamos comprovando a convergência de posições e identidade de valores. Nossa cooperação em relação à Venezuela é um exemplo. As nossas conversas reforçam que seguiremos no rumo certo na democracia e segurança”.

Primeira visita
A visita do presidente argentino é a primeira de um chefe de Estado ao governante brasileiro. Macri veio a Brasília acompanhado de seus principais ministros, para tratar de acordos comerciais, Mercosul e da situação da Venezuela, país que no momento está suspenso do bloco latino-americano.

Macri subiu a rampa do Palácio do Planalto às 10h38, foi recebido por Bolsonaro com um abraço. Os dois ouviram os hinos de ambos os países e posaram para a foto oficial. O argentino foi cumprimentado pelos ministros brasileiros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Sérgio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia).

Os dois presidentes se reuniram sozinhos e, em seguida, com a participação dos ministros. O argentino estava acompanhado de Nicolás Dujovne (Economia), Dante Sica (Produção), Jorge Faurie (Relações Exteriores), Oscar Aguad (Defesa), Patricia Bullrich (Segurança), Germán Gravano (Justiça e Direitos Humanos), além de Fulvio Pompeo (secretário de Assuntos Estratégicos).

Mercosul e Venezuela
O bloco econômico latino-americano é formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. A participação da Venezuela foi suspensa em 2016, essencialmente por razões políticas e econômicas. O país é comandado pelo presidente Nicolás Maduro, que recentemente tomou posse e ficará no cargo até 2025, seu regime é desaprovado por Bolsonaro e por Macri.

A Venezuela já foi considerada um dos países mais ricos do bloco econômico, quando dominava o mercado de petróleo, no entanto, atualmente passa por uma intensa crise social. Há uma onda de migração que leva milhares de venezuelanos a fugirem do país, que sofre com falta de alimentos e outros insumos básicos.

Para completar a instabilidade no país, o congresso classificou o governo de Maduro como “usurpador da presidência”, considerando sua gestão ilegal e ilegítima. O retorno da Venezuela ao Mercosul ficou condicionado à apresentação de condições para restabelecer o exercício dos direitos e deveres dentro do bloco.

Os dois líderes devem discutir também medidas para avançar as negociações do bloco que já estavam em curso até o fim de 2018, como é o caso com a União Europeia, além de propor uma agenda interna que inclua a simplificação da estrutura tarifária, a convergência regulatória e a diminuição de barreiras internas entre países membros.

Últimas notícias