Augusto Heleno diz desconhecer criação de Abin “paralela”

Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional foi questionado via requerimento da CPMI das Fake News

atualizado 19/02/2020 21:10

Ministro Augusto Heleno, do GSIRafaela Felicciano/Metrópoles

Em resposta ao deputado Rui Falcão (PT-SP), o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, Augusto Heleno, afirmou “não ter conhecimento” de qualquer discussão sobre uma Agência Brasileira de Inteligência (Abin) “paralela”.

A suposta estrutura, que teria como objetivo montar dossiês contra adversários do governo Jair Bolsonaro (sem partido), teria sido arquitetada, segundo a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), pelo filho do presidente, o vereador pelo Rio de Janeiro (RJ) Carlos Bolsonaro (PSC).

Falcão perguntou ao GSI, como parte dos trabalhos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, se está ou esteve em discussão a criação de uma “Abin paralela ou estrutura similar” para fazer grampos telefônicos e criar dossiês; e se teria havido a participação de Carlos e do ex-secretário-geral da Presidência Gustavo Bebbiano. A todos os questionamentos, a resposta foi negativa.

Hasselmann falou sobre a suposta estrutura quando foi ouvida na CPMI das Fake News, em dezembro do ano passado. Segundo ela, foi Bebianno quem contou sobre a ideia de Carlos – que teria, aliás, desagradado outros ministros à época. Este teria sido um dos motivos da saída do ex-auxiliar de Bolsonaro do governo.

No mesmo depoimento, Joice afirmou que existe, no Planalto, um “gabinete do ódio” que usa dinheiro público para perseguir adversários de Bolsonaro e promover ataques virtuais.

Últimas notícias