metropoles.com

Após encontrar Lira, Lula almoça com Pacheco na residência do Senado

Entre os assuntos na pauta, presidente eleito tratará da PEC da Transição e de apoio para reeleição do atual presidente da Casa

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Redes sociais
Imagem colorida mostra presidente da República eleito Lula junto com presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Na foto eles caminham lado a lado - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida mostra presidente da República eleito Lula junto com presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Na foto eles caminham lado a lado - Metrópoles - Foto: Reprodução/Redes sociais

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniu, no início da tarde desta quarta-feira (9/11), com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), na residência oficial da Casa. Antes, o petista esteve reunido com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

Após o almoço, Pacheco fez uma publicação nas redes sociais e afirmou ter tratado de “temas institucionais e de interesse do governo de transição”.

“Reafirmei ao presidente Lula que o Congresso irá trabalhar, de forma responsável e célere, para assegurar os recursos que garantam, em 2023, os R$ 600 do Auxílio Brasil, o reajuste do salário mínimo, e os programas sociais necessários para a população mais carente do país”, publicou.

Pouco depois, foi a vez do presidente eleito usar as redes sociais para informar o encontro com o presidente do Senado.

Mais tarde, Lula ainda irá se encontrar com a presidente do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber. Interlocutores do novo presidente afirmam que a visita do petista servirá para reatar laços entre Executivo e Judiciário, cuja relação foi repetidamente tensionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

PEC da Transição

No encontro com Pacheco, a expectativa é de que sejam levadas à mesa as agendas prioritárias do governo Lula para o próximo ano. Estarão na pauta as tratativas da equipe de transição de governo para a construção de um texto capaz de assegurar, nos cálculos do Orçamento 2023, as promessas feitas durante a campanha.

O petista também quer ouvir do senador qual o melhor caminho para garantir a manutenção do Auxílio Brasil em R$ 600 e o aumento real do salário mínimo. O teto orçamentário é o maior obstáculo e, hoje, há duas alternativas: editar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) ou uma Medida Provisória (MP).

0

Reeleição de Pacheco

Outro assunto que estará na pauta da conversa é um eventual apoio do novo governo à reeleição de Pacheco para presidente do Senado. A previsão é de que o atual comandante da Casa enfrente uma forte concorrência da ala mais bolsonarista, que somarão, ao menos, 23 senadores – quase um terço da composição (27 senadores).

Nessa terça (8/11), em entrevista coletiva, o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, assegurou que o partido, dono da maior bancada do Senado no próximo ano, terá um candidato à presidência do Senado. “Nós queremos ter o presidente do Senado. Não é possível que o PL não tenha a presidência de uma das Casas”, disse, na ocasião.

O PL ainda discute com PP e Republicanos, aliados ao presidente Jair Bolsonaro, qual será o nome de consenso lançado à disputa. Para Valdemar, a favorita, hoje, é a ex-ministra Tereza Cristina (PP-MS). Entre os liberais, os nomes mais pacificados são de Eduardo Gomes (TO), atual líder do governo no Congresso Nacional, e do ex-ministro Rogério Marinho (RN).

Transição de governo

Lula chegou a Brasília na noite desta terça. O presidente eleito já tem gabinete montado no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde foram instaladas as salas da transição, mas ainda não começou a despachar no local.

Conforme a Secretaria-Geral da Presidência, o segundo andar do CCBB está pronto para receber os integrantes da equipe de transição. O prédio costuma ser utilizado nas transições de governo desde a passagem de cargo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para o próprio Lula, em 2002.

O petista e Geraldo Alckmin terão um gabinete cada um. A estrutura do prédio ainda conta com:

  • quinze gabinetes para demais autoridades.
  • quatro salas de reuniões.
  • uma sala de coworking para 39 postos.
  • há 91 computadores instalados, com serviços de telefonia e impressoras.

A transição de governo é prevista em lei e em decreto. Cabe à Casa Civil coordenar a entrega de documentos à equipe do presidente eleito. Os nomes de até 50 dirigentes, de diversos setores, devem ser publicados no Diário Oficial da União. Todos os nomeados trabalham de forma remunerada até a posse, em 1º de janeiro de 2023, na preparação do novo mandato.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?