Adverso a decreto, Bolsonaro manda imprensa ficar em quarentena

No domingo (22/03), presidente editou decreto que classifica trabalho dos jornalistas como serviço essencial durante crise do coronavírus

Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 26/03/2020 14:18

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (26/03) que a imprensa deve ficar em quarentena, e não nas ruas. A declaração foi dada na saída do Palácio da Alvorada, onde Bolsonaro cumprimentou apoiadores.

“Olha a imprensa, lá, ó. Eles dizem que o povo tem que ficar em casa, mas tão na rua. Ô, imprensa, pô, vocês estão aqui trabalhando. Tem que ficar em casa, pô, quarentena. Fica em quarentena em casa”, disse o presidente.

A presença de jornalistas nas ruas é explicada pelo decreto editado no último domingo (22/03), pelo governo federal, que define como essenciais as atividades e serviços relacionados à imprensa durante a crise provocada pela pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Pelo decreto, são considerados essenciais os serviços de imprensa, “por todos os meios de comunicação e divulgação disponíveis, incluídos a radiodifusão de sons e de imagens, a internet, os jornais e as revistas, dentre outros”.

Na manhã desta quinta, Bolsonaro perguntou aos profissionais de imprensa se eles não têm medo do novo coronavírus e deu uma “bronca” por todos estarem “sem máscara”.

O uso de máscaras, no entanto, é necessário apenas se o indivíduo estiver sintomático, segundo recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde. Além disso, caso apresente sintomas, o cidadão deve ficar em isolamento domiciliar por 14 dias.

“Atenção, povo do Brasil, esse pessoal aqui diz que eu tô errado porque tenho que ficar em casa. Agora, eu pergunto, o que vocês tão fazendo aqui? Imprensa brasileira, o que vocês estão fazendo aqui? Não tão com medo do coronavírus, não? Vão pra casa. Todo mundo sem máscara!”, concluiu o presidente.

Últimas notícias