Secretário diz que diálogo com presidente da ABDI foi “republicano”

Carlos da Costa, um dos auxiliares de Paulo Guedes no Ministério da Economia, nega irregularidade em pedido para entidade trocar de local

Reprodução/InseadReprodução/Insead

atualizado 03/09/2019 21:24

O secretário de Produtividade, Competitividade e Emprego do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse que todo o diálogo com o presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Luiz Augusto Ferreira, acerca do aluguel de salas em São Paulo transcorreu de forma “legítima e republicana”. Mais cedo, o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, mostrou que Costa e Ferreira trocaram mensagens em que o primeiro defendia que a ABDI mudasse de local, ao custo de R$ 500 mil por ano, para que, segundo Ferreira, a secretaria utilizasse o espaço.

“A sugestão para mudança de sede da Agência em São Paulo devia-se ao potencial conflito de interesse entre a ABDI e o cedente do espaço então usado (a Federação da Indústria do Estado de São Paulo), bem como aos planos da agência reforçar sua equipe em São Paulo”, afirmou, em nota.

Segundo o secretário, o “eventual” uso do espaço pela Sepec ocorreria no âmbito de um acordo de cooperação técnica existente entre a secretaria e a agência. “No diálogo, o presidente da ABDI revela que usaria o espaço, mas discordava apenas do valor total”, completa o texto.

Costa ressaltou que, nos diálogos, afirmou duas vezes que “nunca pediria nada errado” e ressaltou que “sempre respeitou as decisões” do presidente da ABDI, que “respeitava aquela decisão” e que “sempre estaria aberto a dialogar quando não concordassem”

“Após a argumentação de que o custo da sede paulista era alto, o secretário retirou a decisão da mudança e falou que era para esquecer SP.”