“Guedes assina e votamos mudanças para policiais”, diz Ramos no MTalk

Presidente da Comissão Especial da Previdência afirmou, ao chegar a evento realizado pelo Metrópoles, que espera compromisso do ministro

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 28/06/2019 12:03

O presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM), disse nesta quinta-feira (27/06/2019), ao chegar ao Teatro dos Bancários, onde se realiza o MTalk Reforma da Previdência, que colocará em votação o destaque que tratará das mudanças nas regras de aposentadoria dos policiais, desde que o ministro da Economia, Paulo Guedes, assine uma carta pedindo isso. O evento é realizado pelo Metrópoles.

“O Paulo Guedes assina uma carta pedindo pra incluir os policiais e aí nós votamos”, afirmou. Ramos explicou ainda que o colegiado não deve votar a alteração “só por pressão do partido do presidente para depois Guedes dizer que cedemos a interesses corporativos”.

MTalk Reforma da Previdência

Especialistas e autoridades debatem os principais pontos da proposta que tramita no Congresso Nacional – com Fonacate, Sindicato dos Bancários DF e ADEP DFl #publi

Posted by Metrópoles on Thursday, June 27, 2019

Isso porque o titular da Economia reclamou das mudanças feitas pelo relator da proposta, Samuel Moreira (PSDB-SP), quando apresentou o parecer à comissão no início do mês. O ministro demonstrou insatisfação com a retirada de alguns pontos que eram defendidos por ele, como a capitalização.

Pressão

O PSL, sigla do presidente da República, Jair Bolsonaro, e partidos do Centrão, como o PP e o PRB, aproveitam os últimos dias antes da apresentação do voto complementar do relator para tentar mudar regras na aposentadoria de policiais. Os parlamentares querem que o tucano equipare no texto substitutivo, que será apresentado na próxima terça-feira (02/07/2019), os direitos da categoria aos dos profissionais das Forças Armadas.

O grupo pede a integralidade (último salário da carreira), a paridade (mesmo reajuste dos ativos) e a pensão integral – sem idade mínima de aposentadoria. Atualmente, segundo o parecer de Moreira, a idade mínima para policiais se aposentarem é de 55 anos para homens e mulheres, com 30 anos de contribuição e 20 anos de tempo de atividade policial para elas e para eles.

O governo quer manter a idade mínima, mas com alteração no tempo de contribuição: seria de 30 anos para homens e 25 anos para as mulheres durante a transição e, depois, de 30 anos para todos. O tempo de atividade policial, por sua vez, seria de 25 anos.

De acordo com o coordenador da bancada do PSL na comissão especial, Alexandre Frota (SP), após reunião com o líder do partido, Delegado Waldir (GO), com o presidente da legenda, Luciano Bivar (PE), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, a bancada que representa policiais militares, civis, federais e delegados apresentará um destaque exclusivo deles para o relatório da Previdência.

MTalk

O evento MTalk Reforma da Previdência foi realizado pelo Metrópoles como forma de aprofundar o tema da forma mais ampla possível. Não à toa, na descrição do evento, foi usada a frase: “Um debate para ajudar a construir o futuro do Brasil”.

Participam do debate o presidente da comissão especial da reforma da Previdência, deputado Marcelo Ramos (PL-AM); o economista e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Eduardo Fagnani; da professora de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Denise Gentil; e do Subsecretaria do Regime Geral de Previdência Social do Ministério da Economia, Rogério Nagamine Costanzi.

O evento foi patrocinado por Fonacate, Anfip, Assessor, Fenafim, Sindilegis, Unacon Sindical, Unafisco, Anape, Sinal, Adep-DF, Mosal e Sindicato dos Bancários do DF.

Últimas notícias