Previdência: Bolsonaro libera mais R$ 176 mi em emendas parlamentares

Entre terça e quarta, governo havia autorizado o pagamento de R$ 1,5 bilhão. Bolsonaro nega que ação esteja vinculada à "velha política"

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 12/07/2019 10:19

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) liberou mais um lote de emendas parlamentares, que somam valor superior a R$ 176 milhões. A liberação ocorreu na noite dessa quinta-feira (11/07/2019) em meio à votação dos destaques da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados.

A atual gestão teme que os parlamentares votem propostas que possam desidratar a reforma, prevista inicialmente para R$ 1 trilhão em 10 anos. O texto-base foi aprovado na quarta-feira (10/07/2019) por 379 votos a 131. Desde quinta, contudo, a Casa vota os destaques e, das 15 proposições apresentadas, foram aprovadas três. Nesta sexta-feira (12/07/2019), oito textos ainda serão analisados.

No pacote publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) foram beneficiados deputados federais de 16 estados e do Distrito Federal. As mais de 300 emendas liberadas na área da saúde são destinadas a fundos municipais de assistência básica, média e de alta complexidade.

Entre terça (09/07/2019) e quarta-feira (10/07/2019), o governo liberou cerca de R$ 1,5 bilhão em emendas parlamentares também vinculadas à área da saúde. Apesar das medidas, Bolsonaro nega que a decisão seja uma prática da “velha política” de “toma lá dá cá” para garantir os votos necessários para aprovar a reforma.

“Tudo o que é liberado está no Orçamento. E, quando acontece uma situação como essa, é normal, no meu entender. Nada foi inventado, não tem mala, não tem conversa escondidinha em lugar nenhum, é tudo à luz da legislação. É isso que deve estar acontecendo”, disse.