A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (23/3) a segunda fase da Operação História de Pescador. O alvo das investigações é um esquema que teria fraudado em R$ 185 milhões o cadastro de pescadores na Superintendência Federal da Pesca e Aquicultura no Pará, vinculada ao extinto Ministério da Pesca. Agentes da PF fizeram buscas no gabinete da deputada Simone Morgado (PMDB-PA), mulher do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), na Câmara.

A parlamentar não é alvo da operação. A História de Pescador mira em uma ex-servidora do gabinete de Simone Morgado que foi Superintendente de Pesca no Estado do Pará.

Auditoria da Pasta sobre a Superintendência Federal da Pesca e Aquicultura no Pará em 2016 identificou 55 mil inscrições e manutenções de licenças no Sistema sem conferência de processos físicos. O prejuízo potencial chegou aos R$ 185 milhões por ano, de acordo com informações da pasta.

A ação cumpre seis mandados de busca e apreensão e três de condução coercitiva. Além dos policiais federais, quatro auditores da CGU atuam nesta etapa da História de Pescador.

A investigação desta fase começou na primeira etapa da operação, em maio de 2016. O Ministério da Transparência, que auxilia a PF nas investigações, informa que, foi constatado que pessoas sem vínculo com o órgão acessavam sistemas internos para alterar dados do cadastro de pescadores. Os criminosos, segundo a pasta, contavam com o auxílio de agentes públicos.

Foi constatado, segundo a Transparência, ainda que as assinaturas dos pescadores no cadastro eram diferentes das que constavam em documentos pessoais. Com acesso ao registro dos profissionais, o suspeitos poderiam, por exemplo, ter acesso ao seguro defeso – concedido a pescadores em épocas nas quais a pesca é proibida para a manutenção da fauna.

Defesa
A assessoria da deputada Simone Morgado (PMDB-PA) que ela não tem envolvimento no caso, que não abriga mais a servidora e que esta é uma questão pessoal da ex-funcionária.

O Ministério da Agricultura foi procurado pela reportagem, mas ainda não respondeu aos questionamentos. O espaço está aberto para manifestação.