*
 

As bravatas ditas na conversa íntima gravada por Joesley Batista, empresário à frente da holding J&F, e Ricardo Saud, ex-diretor da empresa, não atingiram apenas ministros e políticos.

Após fazerem insinuações jocosas a respeito de uma suposta proximidade entre a ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e a presidente do STF, Cármen Lúcia – “achei que os três tavam fazendo suruba” – os executivos falam, aos risos, sobre manter relações sexuais com uma advogada e o ex-procurador da República Marcello Miller, que teria atuado no acordo de leniência da JBS.

Em um trecho do áudio entregue à Procuradoria-Geral da República (PGR) pelos delatores, Joesley e Saud comentam que Miller teria enviado uma longa mensagem a Francisco de Assis e Silva, então diretor jurídico do grupo, dando explicações sobre a Operação Carne Fraca.

“Sei que vocês devem estar decepcionados (com a Carne Fraca), mas no MP a gente não controla tudo”, teria dito Miller a Francisco, segundo Joesley.

Em seguida, Joesley Batista diz: “Nós temos que combinar o seguinte: Tem a Fernanda e ele. Eu como a Fernanda e você…” A mulher a que o empresário faz referência seria Fernanda Tortima, que trabalha para a JBS.

Confira o áudio

 

 

Inconfidências
Em outro trecho da gravação, o dono da JBS faz inconfidências sobre seu casamento com a apresentadora do SBT Ticiana Villas Boas. “Desde o início, ela (Ticiana) era acostumada a andar com um bananão. Rapaz, ela sofreu, até ela ver que da minha vida ela não ia saber de nada. Ela bateu, bateu, uma hora ela sublimou, desistiu”, conta Joesley para Saud.

À vontade com a conversa, ele chega até a revelar uma preferência sexual. “Rapaz, eu vou comer duas véias (sic), eu ando invocado de comer véia. Acho que vou comer duas veinhas (sic). Acho que é fase. Velhinha meio de cinquenta. Eu tenho que comer umas de cinquentinha.”

 

 

COMENTE

Joesley Batistadelação JBSMarcelo Miller
comunicar erro à redação

Leia mais: Política