metropoles.com

No Senado, Salles questiona contribuição humana no aquecimento global

Para o ministro do Meio Ambiente, ação do homem não deve ser apontada como principal causa das mudanças climáticas

atualizado

Compartilhar notícia

Rafael Carvalho/Governo de transição
Ricardo de Aquino Salles – ministro do Meio Ambiente
1 de 1 Ricardo de Aquino Salles – ministro do Meio Ambiente - Foto: Rafael Carvalho/Governo de transição

Aquecimento global, uso de agrotóxicos, licenciamento ambiental, administração de parques nacionais e o afastamento de 21 superintendentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e de Recursos Naturais (Ibama). Esses foram alguns dos temas abordados pelos senadores na audiência pública com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, realizada nesta quarta-feira (27/3) pela Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado.

Questionado, Salles defendeu as políticas que têm sido implementadas pela atual gestão federal e apresentou as medidas que considera prioritárias para a sua pasta, especialmente para o combate à poluição.

Em resposta aos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Jean Paul Prates (PT-RN) e Márcio Bittar (MDB-AC), o ministro se mostrou cético quanto à ação humana como principal causa do aquecimento global. Ele disse não discordar de que haja um aquecimento no planeta, o que pode ser verificado pelo regime de chuvas e nível dos oceanos, mas questionou a “parcela de contribuição humana” nas alterações climáticas.

O ministro disse, porém, que o Brasil permanecerá no Acordo de Paris sobre o Clima, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Em relação à destituição de gestores do Ibama, Salles respondeu que, em alguns casos, poderá haver recondução ao cargo. Quanto ao trabalho de organizações não governamentais voltadas à preservação do meio ambiente, o ministro afirmou que várias delas apresentam “bons projetos”, mas questionou a transparência de suas ações.

“Boas ideias [são] obscurecidas ou relativizadas por prestação de contas e metas não explicitadas, quer seja por incapacidade ou desiderato próprio, que merece reparo”, afirmou Salles.

Agrotóxicos
Em resposta à indagação do senador Alessandro Vieira (PPS-SE) sobre a liberação do uso de 54 novos agrotóxicos no Brasil, grande parte proibida em outros países, o ministro criticou a demora no procedimento de registro, aprovação e análise dos produtos.

“É esse sistema anacrônico que gera riscos para a sociedade”, disse Ricardo Salles. O ministro defendeu uma maior relação entre a agenda ambiental e a do agronegócio.

Amazônia
Com relação à Amazônia, Salles disse que o governo pretende investir em um sistema de monitoramento que pode usar satélites, radares e drones, inclusive com tecnologia internacional, para verificar desmatamento e garimpo ilegais, entre outras irregularidades.

O ministro destacou, ainda, que o processo de licenciamento ambiental será aprofundado e detalhado nos sistemas considerados relevantes, como as barragens, com “utilização racional do corpo técnico do Ibama e melhor distribuição das equipes de trabalho e recursos orçamentários”. (Com informações da Agência Senado)

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações