Moro diz que Bolsonaro quis “fortalecê-lo” com fala sobre vaga no STF

"O presidente deu a declaração com boa intenção", afirmou o ministro da Justiça e Segurança Pública do governo

José Cruz/Agência BrasilJosé Cruz/Agência Brasil

atualizado 22/05/2019 18:29

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou nesta quarta-feira (22/05/2019) que o presidente Jair Bolsonaro quis “fortalecê-lo” quando disse que pretendia indicá-lo para o Supremo Tribunal Federal (STF). A declaração foi dada em entrevista à Rádio Bandeirantes.

“Ele deu essa declaração com o intuito de me fortalecer. Havia essa discussão sobre a questão do Coaf, tinha havido uma certa resistência em manter o Coaf no ministério da Justiça (após votação na comissão especial que devolveu o Coaf à pasta da Economia). O presidente deu a declaração com boa intenção (…) Entre eu e ele de fato nunca houve um acerto em que foi colocada uma condição (para assumir a vaga no Supremo). Não faria sentido”.

Os ministros Celso de Mello e Marco Aurélio Mello vão completar, respectivamente, 75 anos em novembro de 2020 e julho de 2021 e devem se aposentar compulsoriamente. Moro disse ainda que não sabe se Bolsonaro vai querer convidá-lo na ocasião e tampouco pode dizer se aceitaria. “Nem sei se quero ir para o STF e nem sei se o presidente está querendo me indicar”, afirmou.

Questionado sobre um possível arrependimento em abandonar a magistratura para aceitar o cargo de ministro, Moro negou. “Eu não me arrependi. Quando aceitei esse convite, tinha bastante presente os meus objetivos: a ideia era tentar consolidar esses avanços anticorrupção dos últimos cinco anos e, por outro lado, poder avançar contra o crime organizado e o crime violento. Entendi que poderia fazer mais assumindo essa posição do que como juiz”, disse.

Pacote anticrime
Moro afirmou na entrevista que tem dialogado com parlamentares para a aprovação do pacote anticrime. “Vários deles têm sido muito receptivos às propostas do projeto. Há uma sinalização de que seja possível eventualmente a votação em junho”.

Últimas notícias