A atitude do ministro Ademar Gonzaga Neto, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), chamou a atenção dos usuários das redes sociais, nesta segunda-feira (10/12). Durante a cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), quando o Hino Nacional começou a tocar, o magistrado foi o único a ficar de costas para a plateia. Ele permaneceu na mesma posição até o fim da execução do hino, pela banda dos Fuzileiros Navais, da Marinha.

O ministro, nomeado pelo atual presidente da República, Michel Temer (MDB), também foi o único a “virar” (foto abaixo) em direção a Bolsonaro e à ministra Rosa Weber, presidente do TSE, durante os discursos de ambos.

Ao jornal O Globo, Gonzaga Neto afirmou que sempre canta o hino olhando para a bandeira. “Aprendi nas aulas de educação moral e cívica no Colégio Santo Inácio e na Escola Alferes Tiradentes, em Florianópolis (SC), onde sempre cantávamos o Hino Nacional antes de entrar em sala”, disse.

O hábito do ministro do TSE teve grande repercussão nas redes sociais. No Twitter, os usuários comentaram: “Alguém sabe explicar porque um ministro do Judiciário ficou de costas [para a plateia] na execução do Hino Nacional?”, perguntou um internauta. “Já mandaram ele ficar olhando a parede de castigo?”, brincou outro.