metropoles.com

Mesmo sem coalizão, Congresso teve atuação governista em 2019

Pesquisa do Observatório do Legislativo Brasileiro (OLB) divulgada nesta quarta mostra proximidade do parlamento com o presidente Bolsonaro

atualizado

Compartilhar notícia

ANDRÉ BORGES/ESP. PARA O METRÓPOLES
Jair-Bolsonaro32
1 de 1 Jair-Bolsonaro32 - Foto: ANDRÉ BORGES/ESP. PARA O METRÓPOLES

Mesmo sem construir uma coalizão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conseguiu, em 2019, contar com uma atuação governista do Congresso Nacional. Uma pesquisa do Observatório do Legislativo Brasileiro (OLB) divulgada nesta quarta-feira (05/02/2020) revela apoio ao chefe do Palácio do Planalto.

Para medir a tendência, o OLB usou um algoritmo que avaliou os votos nominais dados no plenário em 2019. Ele diferencia votos e votações por ordem de importância. O resultado gera um ranking que permite posicionar os parlamentares numa escala que varia de 0 a 10. Notas próximas de 10 indicam atuação mais favorável à posição governista, as próximas de 0, uma atuação mais oposicionista.

Na Câmara, dos 513 deputados federais que tiveram votos nominais registrados (incluindo suplentes que assumiram mandatos), 73,4% tiveram notas maiores que 7 no ranking.

O número é semelhante ao observado no primeiro ano dos mandatos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, de acordo alguns estudos da área.

Na Câmara, os parlamentares com atuação mais governista são do PSL e do NOVO, com destaque para nomes mais conhecidos como os de Nereu Crispim (PSL-RS), Gurgel (PSL-RJ), Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF).

Já na oposição, os parlamentares mais radicalmente contrários ao governo são os do PSol, com destaque para Ivan Valente (PSol-SP), Áurea Carolina (PSol-MG) e Talíria Petrone (PSol-RJ).

Senado
No Senado, o governismo também é elevado. Ao todo, 20 senadores atingiram a nota máxima no ranking, e 19 chegam perto disso. Quase 50% dos 81 senadores que tiveram votos nominais registrados têm notas 9 ou 10 no ranking do OLB.

Lá, apenas um senador do PSL — ex-partido de Bolsonaro — está entre os 10 mais governistas: Soraya Thronicke (PSL-MS). Na base de apoio ao governo, também se destacam representantes de outros partidos como Luis Carlos Heinze (PP-RS), e Sérgio Petecão (PSD-AC).

Na outra ponta, os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Paulo Paim (PT-RS) e Jacques Wagner (PT-BA), por sua vez, aparecem no ranking como os aqueles que mais fizeram oposição à agenda governista, com notas muito próximas de zero.

Metodologia
Para calcular o ranking de governismo na Câmara dos Deputados e no Senado, coletamos informações sobre todas as votações nominais — aquelas nas quais parlamentares têm seus votos registrados em plenário.

Em uma segunda etapa, foram excluídas votações que não tiveram conflito, isto é, votações nas quais não houve sequer 2% de parlamentares que votaram contrários à maioria vencedora. O procedimento, segundo o OLB, evita que votações unânimes entrem no cômputo do governismo. Ao final, a amostra analisou  252 votações na Câmara e 28 no Senado.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações